COLUNA DO JC RAMOS

0
144

CRIAÇÃO

Eu quero falar de criação. Esta época do ano é uma bela estação para se falar disso. Aqui no Sul, por exemplo, é comum se verificar a nidificação que diz muito a respeito.

Se tivermos olhos para ver, de repente nos deparamos com ninhos em nossos quintais, nas árvores das praças de nossas cidades. Se bem observarmos, somos presenteados com o espetáculo de ver os pais alimentando os seus filhotes. É a natureza criando e se renovando.

Pássaros são criaturas que já nascem prontas! De um momento para outro já estão batendo asas da independência e logo estão procurando os seus alimentos e fazendo os seus próprios ninhos.

Bem diferentes do ser humano, o criador que demora a crescer. Por muito mais tempo precisa ser ensinado e até mesmo lapidado. Porém, é o único ser vivo que tem livre-arbítrio.

Durante o seu desenvolvimento, é como se Deus, todos os dias, quisesse lembrá-lo de como foi realizar as Escrituras Sagradas e a todo instante lhe fornece inspiração, entendimento, papiros e tinta para que crie o seu próprio enredo e escreva sua própria história.

Lembra um pintor em busca de outros matizes para criar um novo quadro.

Lembra um poeta que às vezes mergulha no mais profundo oceano de sua dor e, com lágrimas nos olhos, fala de sonhos, de alegrias, de tristezas e de amor, criando mais um verso que lhe escorre por entre os dedos das mãos, nas quais se misturam criador e criação.

Lembra o médico que jamais tenciona ser Deus, mas, em seu repouso entre uma cirurgia e outra, quando consegue pregar no sono, Deus lhe aparece vestido de médico para lhe inspirar e fazer mais suave a sua trajetória, preservando a criação.

 

Lembra o pastor que todo dia se reinventa para juntar as suas ovelhas junto ao aprisco, enaltecendo a palavra de Deus em oração, louvando sempre o criador e a criação.

Lembra a professora que, ao ensinar uma lição, ao chegar em casa sabe que aprendeu muito mais do que ensinou e se prepara para o amanhã do problema e a solução. Do criador, a criação.

 

Lembra a criança em suas brincadeiras…, seus sonhos que guarda em segredo em seu coração, sem saber ainda se é criador ou criatura ou se é o mais genuíno símbolo da nossa criação.

 

J.C. Ramos Filho

Poeta Maranhense


NR: Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores.