OPINIÃO DE CÉLIO FURTADO :METADE DE MAIO

0
99

Célio Furtado – Engenheiro e professor da Univali celio.furtado@univali.br

Escrevo na tranquilidade e paz do meu espaço doméstico, escutando o barulho da chuva, agradecendo pelo conforto de uma vida simples e despretensiosa.

Muitas ideias povoam a minha mente nesse momento, convites a caminhar no emaranhado do meu pensamento, como se estivéssemos atravessando uma mata fechada, as trilhas quase apagadas sem um rumo estabelecido, previamente.

Certamente, a maioria dos viventes aproveitam a escuridão da noite, para dormirem, descansarem, protegendo a própria pele dos perigos das trevas.

Nesse meio de maio, sinto o frio mais intenso e presente, ainda mais com a chuva noturna, não um aguaceiro, mas provocando um agradável efeito no telhado.

A memória me empurra para coisas simples que povoaram a minha infância, os pés molhados, a água escorrendo pelo quintal, as rãs, a cobra d´água, amarela e os pontos negros, um certo medo, porém, dizem alguns, elas não são venenosas. Percebo também que os vagalumes e as cigarras sumiram, personagens tão comuns na minha infância.

Aquele fantástico som das noites antigas, lamento, não o escutaremos mais.  Acredito nessas coisas, sempre que posso, gosto de beber da sabedoria popular.

Pensar é parecido com o entrar na mata fechada, quase no escuro, com a esperança de que em algum lugar encontremos uma clareira, uma abertura onde apareçam novos insights, novas inspirações, pois, observo que o sono ainda não chegou, “pra valer” e os olhos abertos, atentos às palavras escritas, digitadas, percebem o avanço para o vazio, para o nada.

Chove lá fora e penso também no futuro, no tempo que há de vir, o próximo instante, o acontecimento, a grande explosão do momento seguinte, coisas que, aparentemente, são específicas do ser humano, tão somente.

Maio, metade, tão diferente, intenso, desafiador, exigindo uma atitude mais consciente do combate a ser travado contra as forças do mal, o obscurantismo circundante, algo mais explicito, pois como mencionei em artigo anterior, extraído de uma antiga canção, “é preciso estar atento e forte, não temos tempo para temer a morte”.

Sempre dormi bem, desconheço a insônia, bons sonhos, alguns mais perturbadores, porém, a gente sabe, tais como nos antigos filmes de terror, tudo acaba no “The End”.

Como aluno salesiano, aprendi com Dom Bosco que a “boa consciência é o melhor travesseiro possível”, e, em cada noite me acompanham as minhas orações, simples e repetidas, uma fórmula simples, coerente com a minha formação católica.

 

Para saber mais, acesse o site: www.velashow.com.

 

Todos nós temos sonhos impressionantes, coisas boas, predominantemente agradáveis e reconfortantes, raríssimos pesadelos assustadores, pois a vida é boa e buscamos uma existência digna, solidária, estudando sempre.

Devemos sempre polir a pedra bruta, buscar a luz na fraternidade, nas boas ações, ajudando a tornar feliz a humanidade.

Tenho buscado mais intensamente os temas renascentistas, as músicas e a filosofia desses tempos, uma leitura não sistemática, porém com bons aprendizados.

A Biblioteca da Univali possui dois livros de Nicolau de Cusa, (1401-1464), “A douta Ignorância” e a “Visão de Deus”.

Livros antigos e tão fortes e atuais.

Metade de maio, dizem que virão muito frio e tainha.

 

Célio Furtado, nascido em 1955/ Professor da Univali/ Formado em Engenharia de Produção na Universidade Federal do Rio de Janeiro/ Mestre Engenharia de Produção/ Coppe/Ufrj/trabalhou no Sebrae Santa Catarina e Rio de Janeiro. Consultor de Empresa/ Comunicador da Rádio Conceição FM 105.9/ celio.furtado@univali.br