OPINIÃO DE CELIO FURTADO: MARÇO PREOCUPANTE

0
187

 

Célio Furtado – Engenheiro e professor da Univali celio.furtado@univali.br

Estamos na segunda semana de março e as perspectivas referentes à luta contra a pandemia são sombrias. Aumentam os óbitos, a média diária, em todo o território nacional, de modo que algumas cidades estão improvisando cemitérios em contêineres, um clima assustador. Aumenta o número de pessoas que já foram contaminadas, que perderam amigos e familiares, gente conhecida dizimada pela pandemia.

O número de Unidades de Tratamento Intensivo, (UTIs) não consegue atender o número de pacientes em estado grave, daí surgir o desespero, a descrença na solução convencional, de modo que estamos diante do caos.

Naturalmente, existe a perspectiva da vacinação que está avançando, lenta e gradual, pois sabemos que não há um estoque que dê segurança às pessoas. Mesmo assim, continua o desleixe, o relaxamento e até ironias sobre o perigo iminente. Continuo, enquanto cidadão, confiante e otimista quanto a solução científica contra esse mal, uma necessária combinação de vacinação em massa, um cuidado individual e coletivo acentuado e disciplinado e um consenso político que possibilite uma liderança firme e patriótica diante da ameaça à soberania nacional e à integridade física dos brasileiros.

A grande notícia é que diversas vacinas, de diferentes procedências, têm demonstrado um satisfatório grau de resolutividade diante do coronavírus, de modo que há uma “luz no fim do túnel”.  Conforme sabemos, a Humanidade, na sua marcha civilizatória tem encontrado diversos obstáculos pelo caminho, guerras devastadoras, cataclismas, pestes e, quando se pensava que o fim está próximo, a vida renasce, inovadora, prenhe de possibilidades novas, e tudo, de repente, volta ao normal, ao “novo normal”.

Sabemos que a nossa civilização, judaico-cristã traz em sua doutrina toda uma perspectiva do “final dos tempos”, um tema da Escatologia, um capítulo da Teologia, sobre os novíssimos tempos que haverão de acontecer.

 NO MÊS DO MEU ANIVERSARIO GANHA QUEM ANUNCIE AQUI!

 


Numa das orações fundamentais do Catolicismo, o Credo, redigida no Concílio de Niceia, no ano de 325, está explicitada uma forte fé na “vida Eterna”. Diferentemente do “eterno retorno”, nós, cristãos, acreditamos no “alfa e ômega”, inicio e fim, numa linha sinuosa, porém orientada para um desfecho glorioso, o “gozo eterno”.

Porém, o problema concreto que se apresenta é a humanidade diante de uma peste, nova, complexa e fatal, um problema terreno que exige solução terrena. Sabemos que esse enfrentamento cientifico-tecnológico tem um componente sócio-político, ou seja, uma mudança de atitude radical da sociedade, das pessoas, em relação à sua higiene individual e coletiva, cuidados pessoais, individuais e, principalmente, com o próximo, pois sabemos que a contaminação é sutil e cruel.

No campo político precisamos de uma férrea unidade nacional, um consenso entre os poderes federais, estaduais e municipais, todos num uníssono, numa otimização de recursos e energias para o confronto decisivo contra o mal que nos assola.

Nossa sociedade está dividida, impregnada de ódio e preconceitos, praticamente inconciliáveis.

Estamos vivendo e induzidos pelo poder central para um obscurantismo intelectual, uma confusão, uma lavagem cerebral irreversível, pois, de modo geral, “as cabeças estão feitas”.

Temos que contar, também, ou principalmente, com a misericórdia divina!


Célio Furtado, nascido em 1955/ Professor da Univali/ Formado em Engenharia de Produção na Universidade Federal do Rio de Janeiro/ Mestre Engenharia de Produção/ Coppe/Ufrj/trabalhou no Sebrae Santa Catarina e Rio de Janeiro. Consultor de Empresa/ Comunicador da Rádio Conceição FM 105.9/ celio.furtado@univali.br


NR: Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores.