Regata News pergunta tudo para Johan Salén, Diretor Executivo da The Ocean Race

0
240

O Regata News entrevistou Johan Salén, Diretor Executivo da The Ocean Race.

Leia abaixo o material apurado por Adilson Pacheco, editor do Regata News.

 —

RN: Por que realizar a regata em 2022 e não mais 2021?

JS: Desde 1973, vemos a Ocean Race como um dos desafios mais difíceis do esporte. E isso é verdade se você é um velejador, uma equipe, uma cidade-sede, um parceiro de regata ou outro participante ou parte interessada. A preparação é a chave para o sucesso, mas todos nós perdemos um tempo significativo no primeiro semestre deste ano devido à pandemia de COVID-19. Após um processo rigoroso e tranquilo de consulta às partes interessadas, concluímos que uma forma de maximizar o potencial da regata é dando a todos mais tempo para se prepararem, portanto, a data de início da corrida será em outubro de 2022.

RN: Qual é o seu maior medo diante desse desafio causado por covid 19 ??

JS:Nossa primeira prioridade é para com todos aqueles que foram e continuam a ser afetados pela pandemia e os planos da regata foram revelados há algumas semanas. Como uma competição esportiva internacional, com escalas em seis continentes, estamos profundamente ligados ao mudando a realidade de velejadores, equipes, cidades e parceiros em todo o mundo e sentimos que o plano de 10 anos sem precedentes que foi anunciado oferece oportunidades para velejadores, equipes, cidades e parceiros para se prepararem adequadamente para The Ocean Race e isso dá aos fãs algo notável para ver nos próximos anos.

RN: Algumas equipes ainda estão lutando para encontrar patrocinadores, a organização da regata ajudará de alguma forma?

JS: Como organizador de regatas, nosso papel é fornecer uma plataforma atraente para nossas equipes e seus parceiros participarem. Se algum projeto quiser nossa ajuda para contar a história da regata a possíveis parceiros, estamos sempre felizes em ajudar. E significativamente, conforme mencionado acima, adicionamos um ano ao cronograma, que muitas equipes nos disseram que vai ajudar.

RN: Quanto é investido em uma regata de volta ao mundo como a The Ocean Race pelos organizadores e equipe?

JS: O orçamento de uma equipe varia de acordo com o escopo do projeto e as diferentes ativações que uma equipe deseja apresentar. Historicamente, provavelmente variou entre cerca de 7 milhões de euro. No futuro, especialmente para as equipes IMOCA existentes, será possível participar por muito menos do que presumindo que The Ocean Race faça parte de um prazo mais longo. As finanças da organização são privadas.

RN: As cidades do mundo que recebem uma parada no The Ocean Race têm mudanças significativas em suas economias e projeções internacionais. Como você vê esse impacto causado pela Ocean Race?

JS: O impacto da The Ocean Race nas cidades-sede é bastante significativo. Como exemplos da última edição, o impacto econômico de sediar o início da regata em Alicante, Espanha, foi um aumento no PIB do país de 96,2 milhões de euros e quase 2.000 empregos foram gerados. Cardiff, no Reino Unido, usou sua escala como um catalisador para desenvolver a área portuária onde a escala foi realizada. Em Hong Kong, também um nova cidade-sede na última edição, a escala apresentou um novo local de eventos para a cidade em Kai Tak Runway Park e promoveu o esporte da vela para milhares de crianças em idade escolar. Além disso, o turismo local usou a escala para promover Hong Kong como destino turístico, com publicidade, recepções no exterior e por meio de logotipos promocionais na equipe Sun Hung Kai / Scalllywag.

Em Itajaí, visitantes internacionais da Argentina e do Uruguai em particular impulsionaram a economia impactando divisas para a cidade, que foi de 28% em comparação com a escala anterior de 2015. Os hotéis triplicaram o número de leitos disponíveis, mantendo os turistas na cidade, e isso levou a 75% do impacto econômico. Além do impacto econômico, iniciativas de sustentabilidade ajudaram a evitar o uso de 300 mil copos plásticos e isso servirá de modelo para outros eventos na cidade e na região. Estes são apenas alguns exemplos do impacto que a The Ocean Race tem.

RN: O Brasil ainda não registrou nenhum barco e espera-se que tenha brasileiros participando da próxima edição?

RN: ‘Esperamos muito que seja esse o caso. Ícones brasileiros como Torben e Martine Grael são uma parte importante do patrimônio desta regata, sem falar nas paradas e na hospitalidade que temos desfrutado no Brasil ao longo dos anos. Ficaríamos felizes em encorajar os velejadores brasileiros e qualquer tipo do projeto de equipe com a bandeira do Brasil.

RN: A nova data também coincide com o 50º aniversário da competição

JS: Como você disse, a próxima edição coincidirá com o 50º aniversário da Regata, então estamos trabalhando em alguns planos e ações para celebrar o patrimônio de um dos eventos de destaque do esporte.

RN: O Brasil pode um dia ser final de uma The Ocean Race?

JS: Por enquanto, o nosso foco principal está na próxima edição que terá início em 2022, bem como na regata na Europa no meio de 2021, e procurando maximizar seu potencial como um país sustentável de classe mundial esporte com propósito. Itajaí será escalada pela quarta vez e única no América do Sul. Trabalharemos nos planos de edições futuras nos próximos meses.

RN: Dê mais detalhes a este plano de 10 anos, que ajudará as equipes, cidades e velejadores a serem melhores preparado para as regatas.

JS: Sabemos que clareza e consistência são muito importantes para o planejamento, então, pela primeira vez na história da regata, anunciamos um plano de 10 anos, com datas de corrida bloqueadas para as próximas três edições da The Ocean Race – 2022-23; 2026-27; 2030-31. Todas as três edições serão totalmente equipadas, ao redor do mundo, regatas com uma série de paradas, o que deve ajudar equipes, cidades-sede e parceiros para planejar com um foco de médio prazo. Também estamos nos estágios finais de uma viabilidade acelerada estudo, após consulta às partes interessadas, para uma nova regata chamada The Ocean Race Europe para 2021.

RN: Como será o programa de sustentabilidade?

JS: O objetivo da The Ocean Race é contribuir para um planeta mais saudável e o nosso programa de sustentabilidade, denominado ‘Racing With Purpose’, permanece como um elemento chave e central da regata, centrado em torno da promoção da restauração da saúde do oceano, e construída sobre os três pilares da The Ocean Race Summits, o Programa de Educação e o Programa de Ciências, juntamente com as principais parcerias estratégicas , como a parceria com nosso Sócio Fundador do Programa de Sustentabilidade e Premier Partner da The Ocean Race, 11th Hour Racing e programas de divulgação. Nós planejamos construir sobre o legado da última edição da regata.

RN: Uma pergunta pessoal – quem é Johan Salen ??

JS: Eu sou o Diretor Executivo e co-proprietário da The Ocean Race, um evento no qual estive envolvido por 30 anos como velejador, gerente de equipe de projetos e líder da organização do evento. Eu primeiramente competi na que era então conhecido como Whitbread Round the World Race em 1989-90 como um velejador embarcado no The Card. Para a edição de 1993/94, mudei para gerenciamento de projetos com Intrum Justitia, levando a equipe a um segundo lugar, antes de alcançar minha vitória na primeira regata gerenciando a EF Language em 1997/98. Mais projetos de equipe seguiram depois disso, incluindo outra vitória de regata com o Ericsson 4 em 2007/08. Para a edição 2014/15 da regata liderei a inscrição feminina Team SCA.

Empreendi todos os projetos mencionados acima em parceria com Richard Brisius, atualmente Presidente da regata, e em 2017-18 tivemos o orgulho de ser nomeados co-presidentes da The Ocean Race. Quando um oportunidade de comprar a regata da Volvo se apresentou, Richard e eu, junto com nosso parceiro de negócios de longa data Jan Litborn tornou-se coproprietário da The Ocean Race, com foco de abrir o evento para mais velejadores e equipes antes da edição de 2022/23 e para colocar o ‘Racing with Purpose ‘, nosso premiado programa de sustentabilidade no centro da regata.

RN: Que livro você está lendo?

JS: No momento estou lendo “A viagem de uma vida” de Robert Iger.

RN: Que tipo de comida você prefere?

JS: Eu realmente gosto de comer tudo e adoro comida de todos os cantos do mundo. Se eu tivesse um favorito, seria um pouco de comida tailandesa picante!

RN: Seu grande sonho que você gostaria de realizar um dia?

JS: Na verdade, é um sonho estar na posição em que estamos agora com a The Ocean Race. Tendo sido envolvido com o evento em muitas capacidades diferentes ao longo dos anos, isto é o auge!