TURISMO EM FOCO com a jornalista Zeni Rates: TURISMO EM FOCO com a jornalista Zeni Rates Coluna 8 Florianópolis fora do roteiro de navios de cruzeiros

1
198

 

 

Slide2

 

TURISMO EM FOCO com a jornalista Zeni Rates


Coluna 8 


 

Florianópolis fora do roteiro

de navios de cruzeiros

 

Slide3

A Ilha de Santa Catarina mais uma vez está fora da rota dos navios de cruzeiros. Enquanto Porto Belo se prepara para receber os turistas, a capital vai ficar mais uma temporada sem receber esses visitantes. Na reunião que aconteceu nesta segunda-feira (29) entre o governador Raimundo Colombo, o vice Eduardo Pinho Moreira, o presidente da Embratur, Vinicius Lummertz e o presidente da Clia, Marco Ferraz foram tratados dos preparativos para Porto Belo receber os cruzeiristas. Também esteve em pauta, a obra do novo píer que será construído em São Francisco do Sul para viabilizar a recepção as embarcações de cruzeiros. Foto: ernestosaothiago.blogspot.com.br




 

 

Impacto econômico do

turismo de cruzeiros

Slide4

Estudo realizado em entre a Clia e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta um gasto médio de R$ 438 por turista de cruzeiro em cada escala. “Em Búzios, no Rio de Janeiro, chegamos a ter cem escalas por temporada, com média de três mil cruzeiristas em cada navio. Ou seja, são cerca de 300 mil turistas descendo na cidade e gerando mais de R$ 120 milhões de impacto econômico” adianta Marco Ferraz, presidente da Clia. Já Vinicius Lummertz, presidente da Embratur, informa que Santa Catarina tem o maior potencial para o setor entre os estados brasileiros, reconhecido pela iniciativa privada. “É uma economia importante que Santa Catarina passaria a obter, com a vantagem de antecipar e prolongar a temporada de verão, pois os cruzeiros operam entre novembro e abril”, acrescentou.




 

 

Porto Belo na rota dos grandes

navios?

 Slide5

 

A inclusão de Porto Belo na rota dos cruzeiros internacionais, por meio da instalação de um posto da Receita Federal no píer da cidade e a adaptação da Marina Tedesco, em Balneário Camboriú, para funcionar também como ponto de recebimento de grandes navios de turismo. Estes foram alguns dos temas tratados na entre o governador Raimundo Colombo, o vice Eduardo Pinho Moreira, o presidente da Embratur, Vinicius Lummertz e o presidente da Associação Internacional de Cruzeiros (Clia) e que integra também a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar). “É mais um setor que se agrega ao turismo catarinense, que tem um impacto muito positivo na economia. Estamos trabalhando para aproveitar um potencial que todos sabemos que existe, mas que envolve burocracia, limites de infraestrutura e questões ambientais. Estamos avançando e novos passos estão se concretizando”, destacou Colombo. Foto: James Tavares/Secom.



 

Posto da Receita Federal vai

impactar economia local

 

Slide6

Durante o encontro com o governador, Marco Ferraz, presidente da Clia, explicou que a instalação do posto da Receita Federal em Porto Belo vai gerar impacto já na próxima temporada. O alfandegamento do píer local significa que todos os navios que chegarem da Argentina e Uruguai e que antes não faziam parada na cidade, agora poderão fazer a nacionalização da embarcação em Porto Belo. “Nesta temporada, já temos seis escalas confirmadas, mas estamos revendo itinerários com nossas empresas associadas” destacou Ferraz. Mas o impacto será maior na temporada 2017/2018, adiantou, acrescentando que a cada ano “temos quase cem escalas em Buenos Aires, ou seja, estamos abrindo um leque enorme”, afirmou.  Com relação a Balneário Camboriú, Ferraz adiantou que estão sendo feitas adaptações da Marina Tedesco para receber navios de cruzeiros. “Balneário Camboriú é um destino conhecido nacional e internacionalmente e temos um grande mercado interessado em viajar para a região”, adiantou. Foto: James Tavares/Secom.




 

São Francisco do Sul e Itajaí na

rota dos cruzeiros

 Slide7

 

No encontro com o governador, vice-governador e o presidente da Embratur, o presidente da Clia adiantou que São Francisco do Sul está trabalhando no projeto de um novo píer para atracação e que existe um projeto que tramita em Brasília para concessão de uma área em Itajaí a ser destinada ao setor. “O potencial de Santa Catarina é enorme e nosso sonho é operar também em Florianópolis, por isso, queremos avançar também nas tratativas envolvendo a Capital”, destacou Ferraz. A proposta é que os governos federal e estadual dividam os custos dos trabalhos de batimetria – medição da profundidade – das baías Norte e Sul. Foto: Prefeitura Municipal.




Coluna anterior: https://regatanews.com.br/turismo-em-foco-com-a-jornalista-zeni-rates/

 

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.