São Paulo – Quinta-feira: Lucas Lucco é destaque do Palco Premium do ClapMe

0
121

 

unnamed

 

Plataforma transmite, nesta quinta-feira (28/07), o show do artista que é um dos principais nomes da música sertaneja atual

O Palco Premium do ClapMe começa a destacar os grandes nomes da música sertaneja em sua programação. Nesta quinta, dia 28/07, às 23h30, será transmitido ao vivo, diretamente da Brooks, em São Paulo, o show do cantor Lucas Lucco. Considerado um dos maiores nomes da atualidade, o cantor apresenta os sucessos da carreira como: “11 Vidas”, “Mozão”, “Quando Deus Quer”, “Destino”, “Pra Te Fazer Lembrar”, “Batom Vermelho”, “Vai Vendo”, “Foi Daquele Jeito”, “Beijar à Queima-Roupa”, “Plano B”.

A programação pode sofrer alteração a qualquer momento, mas para não perder nada, acompanhe as páginas do ClapMe no Facebook (https://www.facebook.com/clapme) e no Instagram (https://www.instagram.com/clapme).

Sobre ClapMe

Conhecido por criar uma plataforma de interação em tempo real entre fãs e artistas – com aplausos virtuais, gorjetas em troca de recompensas exclusivas e bate-papo entre fãs – o ClapMe tem a ambição de se tornar o Netflix de shows ao vivo. Afinal, é um serviço de transmissão que pode ser visto em tempo real e sob demanda. “Nosso principal produto é a música e os shows – queremos que os fãs consigam assistir ao maior número de apresentações e shows ao vivo que seja possível, no Brasil e no mundo –, mas traremos também conteúdo de humor, arte e entretenimento.”, conta Filipe Callil, um dos sócios e idealizador do ClapMe.

De acordo com Callil, o ClapMe será parceiro de todas as casas de shows e palcos ao vivo que quiserem monetizar estas apresentações com os visitantes da internet – que podem assistir pelo desktop ou notebook, por celulares e tablets e, em breve, Smart TVs. “É uma forma de democratizar o conteúdo. Acreditamos que as pessoas anseiam por coisas inéditas. Porém, uma grande parte não pode adquirir, principalmente por dificuldades de acesso, localização e recurso financeiro limitado. Se as casas de espetáculo aproveitarem nosso produto e a tecnologia, que hoje permitem novos caminhos, abre-se uma nova fonte de receita”, conclui.