Sports for Nature reúne líderes mundiais; Vela está no centro do debate

0
94

Os parceiros do Esporte para a Natureza – Sports for Nature se reuniram nesta semana em Nova Iorque, nos Estados Unidos, durante a Cúpula de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas – ONU.

A Sports for Nature anunciou que 39 organizações desportivas de vários países se inscreveram para realizar ações significativas para o setor até 2030. A ideia é unir entidades esportivas para apresentar iniciativas de proteção e restauração da biodiversidade e o mundo natural.

O Brasil, por meio do COB – Comitê Olímpico Brasileiro – já faz parte desse grupo ao lado do Comitê Olímpico Nacional da Costa Rica, Federação Internacional de Esqui e Snowboard, VfL Wolfsburg da Alemanha e da Federação Israelense de Polo Aquático.

A estrutura foi desenvolvida pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pelo Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica (SCBD), em colaboração com Sails of Change.

“A combinação de esporte e respeito pela natureza é uma responsabilidade essencial a assumir”, disse o príncipe Albert II de Mônaco, Patrono da Natureza da UICN, Olímpico e Presidente da Comissão de Sustentabilidade e Legado do COI.

“Precisamos aproveitar a energia de todos e fazer mais. A crise ambiental é evidente e tem suas consequências. Criar laços mais fortes e cooperação entre os setores é vital para alcançar os objetivos globais de preservação da natureza e da biodiversidade”

Os parceiros do Esporte para a Natureza lançaram o Quadro do Esporte para a Natureza no final do ano passado na conferência de biodiversidade da ONU em Montreal, e hoje existem 40 organizações esportivas do mundo que se comprometeram a tomar ações pela natureza.

São quatro princípios aos quais os signatários concordam: proteção e restauração da natureza, tornar suas cadeias de suprimentos mais verdes e aumentar a conscientização.

”O esporte, a natureza e o clima estão interligados numa situação delicada. À medida que nos esforçamos para enfrentar os desafios que o mundo enfrenta, vamos abraçar o poder do desporto não só para mitigar os seus impactos negativos, mas também vamos restaurar e defender a natureza e melhorar a saúde e o bem-estar das pessoas em todo o mundo”, contou H.E. Razan al Mubarak, do alto escalão da COP28 presidente da IUCN.

A velejadora Dona Bertarelli, co-fundadora do Sails of Change completou: “Como velejadora, vi em primeira mão o lado sombrio de nossa paixão. Testemunhei um oceano outrora cheio de vida ficar em silêncio, sua biodiversidade declinando alarmantemente. Naveguei em águas poluídas por atividades humanas e vi as inegáveis marcas das mudanças climáticas nos ecossistemas marinhos”.

”O Sports for Nature pretende aproveitar o poder do desporto para proteger a natureza da qual depende, bem como as comunidades onde pratica. Através desta parceria única, apoiada pela Sails of Change, as organizações desportivas têm um caminho para contribuir para os objetivos locais e globais da natureza. Ao aderirem a esta iniciativa, eles também podem ter acesso a orientação científica e ferramentas para ajudá-los a avançar na sua jornada de sustentabilidade”.

O Comitê Olímpico Nacional da Costa Rica e a Federação Internacional de Esqui e Snowboard foram as últimas organizações esportivas a aderirem como signatárias da Sports for Nature.

O COI emitiu um comunicado dizendo estar orgulhoso de ter conseguido reunir os principais intervenientes na conservação da natureza UICN, PNUMA e CBD, apoiados pela Sails of Change, para desenvolver conjuntamente o painel da Sport for Nature.

”Tal como no desporto, o trabalho em equipe é essencial para enfrentar os desafios atuais de sustentabilidade, incluindo as crises climáticas e de biodiversidade”, afirmou Marie Sallois, Diretora de Sustentabilidade do COI. ”Esperamos trabalhar juntos na sua implementação, garantindo que o desporto seja parte da solução”

O patrono dos oceanos da ONU e nadador de longa distância Lewis Pugh, que participou do evento depois de nadar 315 milhas rio abaixo para chegar a Nova Iorque, acrescentou: ”Nadar no oceano é mais do que apenas um esporte para mim. É uma forma de contar uma história poderosa sobre o que está acontecendo com o nosso planeta. Como atletas, especialmente aqueles que utilizam oceanos e rios, temos o dever de ser seus guardiões. Se não o fizermos, quem o fará?”

No evento Goals House foi apresentada a logomarca do Esporte pela Natureza. Isto será disponibilizado aos signatários desportivos, reportando o seu progresso anual. Estes resultados acumulados serão então comunicados ao Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica, como uma contribuição para o Quadro Global de Biodiversidade Kunming-Montreal, que foi aprovado por mais de 100 países em dezembro de 2022.

”O quadro Global de Biodiversidade Kunming-Montreal requer uma abordagem de toda a sociedade. Sports for Nature é um exemplo incrível de como cada um de nós – cada indústria, cada grupo, cada pessoa – tem um papel a desempenhar na construção de um futuro sustentável”.

”A Sports for Nature está trabalhando para garantir que tenhamos natureza para o esporte nesse futuro e, por isso, eu os elogio”, disse o Dr. David Cooper, Secretário Executivo Interino do Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica.

Qualquer organização desportiva interessada em aderir ao Quadro Sports for Nature e a esta crescente comunidade de desportos empenhados em promover as suas práticas desportivas sustentáveis, a informação está disponível no website da UICN.