The Ocean Race – Itajai vai receber as principais lideranças mundiais de meio ambiente na The Ocean Race Summit 2023

0
252

 

  • Em Cabo Verde – o secretário geral das Organizações das Nações Unidas esteve presente,
  • Presente o primeiro-ministro de Portugal, António Costa.

A cidade brasileira de Itajaí será a anfitriã do segundo The Ocean Race Summits 2023, prevista para o dia 18 de abril, no Ocean Live Park (Vila da Regata).

]. Os direitos oceânicos ocuparão o centro do palco neste evento de alto nível, que também contará com direitos indígenas, sustentabilidade e esportes, construção naval e pesca sustentáveis e oportunidades de Carbono Azul.

A Ocean Race e parceiros – incluindo o Governo de Cabo Verde e o Earth Law Center, com sede nos EUA – estão a trabalhar para dar voz ao oceano e a reunir apoio global para a adoção de uma Declaração Universal dos Direitos dos Oceanos até 2030.

Rumo a uma Declaração Universal dos Direitos dos Oceanos.

A organização da The Ocean Race credita que um oceano saudável começa com o reconhecimento dos direitos oceânicos – valorizando nosso mundo marinho não apenas pelos serviços que ele nos fornece, mas porque o oceano tem o direito de prosperar.

A atual série de 12 Cúpulas, que ocorrem entre 2019 e 2023, está ajudando a impulsionar políticas novas e aprimoradas em torno das principais questões que afetam o oceano: falta de governança, falta de proteção e mudanças climáticas.

A série também examina se dar “direitos” ao oceano poderia ser a chave para garantir seu futuro.

23 January 2023, The Ocean Race Summit in Cabo Verde

The Ocean Race Summit 2023 em Cabo Verde

As principais vozes presentes no The Ocean Race Summit Mindelo, Cabo Verde, apelaram a uma ação oceânica urgente num evento que reuniu nações unificadas pela sua ligação ao oceano.

“Estamos no meio de uma grave crise causada pelas alterações climáticas, pela perda acelerada de biodiversidade e pela poluição dos oceanos que afeta gravemente todos os países e nações insulares de uma forma particularmente grave”, disse o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, a mais de 300 representantes do governo, da sociedade civil e do setor privado reunidos no evento realizado no Centro de Ciência Oceânica do Mindelo (OSCM). ). “A crise climática e ambiental é global. Resolvê-los é responsabilidade de todos os países do mundo, e uma maior responsabilidade para os países com a maior participação na produção dos efeitos nocivos das mudanças climáticas e da poluição”.

“Compartilhamos um forte compromisso com a causa da conservação e do uso sustentável dos mares e oceanos”, disse o primeiro-ministro, destacando o trabalho conjunto que a Raça e o país estão conduzindo para desenvolver princípios de direitos oceânicos e aumentar o apoio à adoção de uma Declaração Universal dos Direitos dos Oceanos até 2030. “Juntos podemos ser mais fortes.”

A Ocean Race e parceiros – incluindo o Governo de Cabo Verde e o Earth Law Center, com sede nos EUA – estão a trabalhar para dar voz ao oceano e a reunir apoio global para a adoção de uma Declaração Universal dos Direitos dos Oceanos até 2030.

“Cabo Verde sempre foi marcado pela aridez climática e pela escassez de água. Resiliência é a palavra que melhor nos define. É a nossa capacidade de adaptar e transformar a desafiadora realidade ambiental, econômica e social com fé, trabalho e ambição de desenvolvimento”, disse ele. “Em Cabo Verde, o mar costumava ser um símbolo de emigração e saudade. Hoje, representa o turismo, a água dessalinizada, a economia azul, as ligações subaquáticas de cabos de fibra ótica, a energia limpa, a biotecnologia, a aquicultura, a indústria conserveira para exportação, um centro de competências e eventos náuticos como a The Ocean Race”, acrescentou. “O sol e o vento, que há algumas décadas eram símbolos de secas, hoje são recursos para a produção de energia renovável e a redução da nossa dependência de combustíveis fósseis.”

Dirigindo-se ao evento, o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, disse: “O oceano não é um centro de custos, é um gerador de riqueza. O oceano é o nosso passado, o nosso presente e o nosso futuro. Isto aplica-se não só a Portugal, mas também a Cabo Verde e a toda a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que é constituída exclusivamente por países costeiros, espalhados por quatro continentes”, acrescentou.

O primeiro-ministro Costa saudou a The Ocean Race, que definiu como um “evento ideal” para aumentar a conscientização sobre a necessidade de ação oceânica entre governos, empresas, sociedade civil e outras partes interessadas, bem como para “compartilhar abertamente ideias e soluções”.

O ministro da Agricultura e Ambiente de Cabo Verde, Gilberto Correa Carvalho, disse: “Como um pequeno Estado insular, contribuímos muito pouco para as alterações climáticas, mas sofremos muito com as suas consequências”.

“O oceano não está ficando mais saudável. Precisamos acordar”, disse Isabella Lövin, ex-vice-primeira-ministra e ex-ministra do Meio Ambiente da Suécia e co-presidente do WEF Friends of Ocean Action. “Não temos mais tempo, precisamos começar a agir.”

No seu compromisso em representação da juventude cabo-verdiana, a estudante Odara Brito disse: “Comprometemo-nos a proteger e preservar o oceano, porque mais do que um recurso, é uma fonte de vida. Estamos plenamente conscientes de que, se temos o poder de destruir o oceano, então devemos ter um poder ainda maior para salvá-lo, protegê-lo e respeitá-lo.

O ex-presidente das Seychelles, Danny Faure, reiterou: “Hoje, estou muito feliz por estar em Cabo Verde, ombro a ombro com parceiros que pensam da mesma forma, promovendo a causa para perseguir um caminho que leve à adoção de uma Declaração Universal dos Direitos dos Oceanos!”

Em uma mensagem de vídeo, Wendy Schmidt, filantropa, presidente da The Schmidt Family Foundation e co-fundadora da 11th Hour Racing – parceira fundadora do premiado programa de sustentabilidade Racing with Purpose da The Ocean Race e parceira principal da corrida, disse: “O oceano é o maior sistema vivo que conhecemos na Terra e seus mistérios, capacidades e limitações estão rapidamente se tornando frente e centro para a comunidade humana, como ouvimos na cimeira de hoje. Não há tempo para virar as costas aos desafios que a atividade industrial humana apresentou a um oceano outrora saudável.”

“Simplesmente não há ação suficiente no oceano”, disse a diretora global de Meio Ambiente, Recursos Naturais e Economia Azul do Banco Mundial, Valerie Hickey.

Entre os oradores estavam os principais atletas oceânicos, incluindo dois dos velejadores que competem na The Ocean Race – Mariana Lobato da Team Biotherm e o skipper da Team Malizia, Boris Herrmann – ao lado do campeão mundial de windsurf, Josh Angulo, e Mitu Monteiro, campeão mundial de ondas de Kitesurf. Falando sobre sua conexão com os mares, os defensores do oceano também pediram ação. Monteiro disse: “Toda a minha vida é ao redor do oceano. Passo mais tempo no mar do que em terra. O oceano precisa da nossa ajuda, vamos pensar antes de tomar decisões. Todo mundo pode fazer um pouco, juntos podemos mudar muitas coisas.”

As Cúpulas da Ocean Race são uma parte fundamental do programa de sustentabilidade multipremiado “Racing with Purpose” da The Ocean Race, que reúne uma série de maneiras tangíveis que podem ter um impacto positivo no ambiente marinho. Trabalhando com a 11th Hour Racing – o Sócio Fundador do programa Racing with Purpose e um dos principais parceiros da The Ocean Race, a The Ocean Race está realizando essas reuniões para levar os tomadores de decisão globais a criar políticas para proteger e governar o oceano, contribuindo com dados vitais sobre o estado dos mares para as principais organizações científicas, equipando as crianças com o conhecimento para ajudar o oceano e muito mais.

Secretário-Geral da ONU recebe Baston da Natureza No evento, Boris Herrmann, capitão da Equipa Malizia, entregou o Baton

da Natureza ao Primeiro-Ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, que, por sua vez, o entregou ao Secretário-Geral da ONU, que proferiu um discurso de abertura na Cúpula. Simbolizando o Relay4Nature, uma iniciativa da The Ocean Race e do Enviado Especial do Secretário-Geral da ONU para o Oceano, Peter Thomson, o Baton da Natureza é passado entre equipes da The Ocean Race, líderes globais e defensores dos oceanos. Conectando os principais eventos ambientais do mundo, ele defende o oceano e pede aos tomadores de decisão que tomem medidas urgentes para proteger a natureza.

Traçando paralelos entre as condições extremas e difíceis vividas na primeira etapa da Corrida e a luta para proteger o oceano, Boris Herrmann disse: “Isso exige tudo de nós. Temos que mudar nossas velas e nossa causa e navegar pelos ventos para acelerar nosso caminho.”