Apesar da crise: Itajaí continua sendo o segundo arrecadador de ICMS

0
159

navio (1)

Joinville, apesar de uma leve queda, continua sendo o município com maior índice 9,1148% (decréscimo de 3,4%), seguido por Itajaí com 7,0433% (crescimento de 0,2%) e Blumenau com 4,9160% (queda de 5,1%).

A Secretaria de Estado da Fazenda publica nesta terça-feira, 7, o Índice de Participação dos Municípios (IPM) na arrecadação do ICMS 2015, cujo repasse será feito durante o ano de 2017. O índice é provisório, já que as prefeituras têm 30 dias a partir desta terça, 7, para contestar os dados. O IPM é calculado com base no movimento econômico, também chamado de valor adicionado, de cada cidade. Os dados estão disponíveis na página de Publicações Eletrônicas da Secretaria da Fazenda.
A grande novidade para este ano é que, pela primeira vez, os municípios poderão pedir impugnação pela internet, por meio de um aplicativo específico disponível no portal da Fazenda. Para acessá-lo, é necessário ser usuário habilitado no Sistema de Administração Tributária (SAT). “Agora os municípios poderão impetrar pedidos em qualquer hora do dia e ainda terão o prazo estendido até 23h59min do 30º dia. E o mais importante, não precisam se deslocar a Florianópolis para entregar documentos”, esclarece Ari Pritsch, coordenador do sistema de apuração do sistema na SEF.

A expectativa da Fazenda é que vários municípios devem impugnar o índice, uma vez que as operações de trading (importações e exportações) ainda não foram consideradas, o que deve impactar o IPM de várias cidades.

Maiores IPMs
– Joinville, apesar de uma leve queda, continua sendo o município com maior índice 9,1148% (decréscimo de 3,4%), seguido por Itajaí com 7,0433% (crescimento de 0,2%) e Blumenau com 4,9160% (queda de 5,1%).

Maiores crescimentos


– Araquari teve o maior incremento no índice (22,3%) passando dos atuais 0,556% para 0,685% – efeito BMW e atividades consequentes. Isso representa R$ 5 milhões a mais no caixa do município em 2017;
– Porto Belo é o segundo com maior crescimento (19,7%), graças ao impulso na indústria pesqueira e também à recuperação de valor adicionado omitido em anos anteriores e objeto de autuação pelo fisco;
– Em terceiro lugar, com crescimento de 19,1%, vem Abdom Batista, por conta da geração de energia elétrica por usina hidrelétrica instalada no município.

Maiores quedas


– Anita Garibaldi apresenta a maior queda (20,5%), mas ela deve ser superada porque falta incluir, por ordem judicial, valor proveniente do movimento econômico gerado pela hidrelétrica Baesa.
– O segundo município com maior queda é Bom Jardim da Serra (13,7%), consequência da queda no faturamento das usinas eólicas. Vale ressaltar que no ano anterior, o faturamento contemplava as vendas de dois exercícios.
– Jaraguá do Sul teve queda de 10,2%, reflexo de uma readequação operacional de empresa.
– Capivari de Baixo, também com 10,2% de queda, reflete a alteração de endereço das operações de empresa fabricante de cabines, reboques e carrocerias para caminhões.

Como é feita a partilha do ICMS


Do total de ICMS arrecadado pelo Estado, 25% são partilhados com as prefeituras. Deste montante, 15% são distribuídos igualmente dividindo-se o valor entre o número total de municípios. Os 85% restantes são partilhados de acordo com o movimento econômico de cada cidade. A soma dos dois percentuais (15% / 295 + proporcionalidade do VA x 85%) forma o índice do município.

 





*EDIÇÃO DA REDAÇÃO/ EDITORIAL EDITION
*Edição – Adilson Pacheco
MTB: 0002362/SC
E-mail: adilsonpachecoredacao@gmail.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/adilson.pacheco.75
Facebook: https://www.facebook.com/Regata-News-698702346874230/?fref=ts
Issuu: https://issuu.com/regatanew_sc
http://www.dailymotion.com/adilson-pacheco1
Linkedin: https://br.linkedin.com/in/adilson-pacheco-6337a24a