Capixaba Luna Hardman disputa título mundial Pro Junior de Bodyboarding, no Chile

0
46

Após duas etapas do Circuito IBC, no Brasil, em abril, e neste domingo (19), no Chile, está empatada com a portuguesa Luana Dourado e decide quem será campeã em uma superbateria. Luna entra na água na etapa chilena também na Profissional e é lider do ranking mundial nas duas categorias

Com uma vitória e um segundo lugar no Circuito Mundial de Bodyboarding, a brasileira Luna Hardman vai decidir o título 2024 em uma super bateria com a portuguesa Luana Dourado. Depois de vencer a etapa do Espírito Santo, no Brasil, o ArcelorMittal Wahine Bodyboarding Pro, em abril, Luna terminou na segunda colocação, neste domingo (19), no Antofagasta Bodyboard Festival, que está sendo disputado no Chile. Como a portuguesa ficou em segundo na etapa brasileira e em primeiro, agora, na chilena, elas definirão o título mundial em uma bateria desempate, que será marcada para esta semana. Se ganhar, Luna será bicampeã mundial, pois ganhou esse título em 2022.

Depois de ser destaque na Pro Junior, Luna volta suas atenções para a Profissional. Ela é líder no ranking mundial nas duas categorias. Na Profissional, soma até agora no circuito dois segundos lugares – no Marrocos e no Wahine – e um terceiro em Iquique, no Chile, no início de maio. A competição em Antofagasta segue até este domingo (26), reunindo os melhores bodyboarders do circuito, no feminino e no marculino, na praia de Lllacolén, válida pelo calendário do IBC (International Bodyboarding Corporation).

A capixaba Luna, 18 anos, é destaque da nova geração, filha de Neymara Carvalho, pentacampeã mundial e com 10 títulos brasileiros, que também está competindo no Chile.

“São duas etapas válidas pelo título mundial na Pro Junior, o Wahine e agora a de Antofagasta. Como estamos empatadas, eu e a Luana, vamos decidir no Super Heat (bateria desempate). Na final, a batalha foi muito equilibrada e faltou uma segunda onda para ser campeã, Agora é ir com tudo nessa grande decisão”, explicou Luna, patrocinada pela ArcelorMittal e apoiada pelo Instituto Neymara Carvalho. 

Em sua campanha até a final em Antofagasta, Luna venceu nas quartas de final a portuguesa Alice Teotonio e, na semifinal, a peruana Hanna Saavedra.

Luna começou a competir aos 12 anos. Mas, vive o bodyboarding desde muito antes disso, com a mãe como exemplo. Neymara participou de disputas até os cinco meses de gravidez. No ano passado, a jovem capixaba, cujo pai é o surfista Daniel Hardman, conquistou uma das etapas do Circuito Brasileiro, seu primeiro resultado como profissional.

Rede Social:
Instagram: @lunahardman
                   @neymaracarvalho 
                   @institutoneymaracarvalho

Foto: Yerko Vasques/IBC