Ubatuba Sailing Festival tem surpresa entre os favoritos

0
28
ubatuba-sailing

Barco Bravo de Jorge Berdasco assume a liderança do evento em Ubatuba (SP)

O segundo dia do International Paint Ubatuba Sailing Festival foi marcado por muito sol e disputas equilibradas no litoral norte paulista. As regatas no Saco da Ribeira, sede do Ubatuba Iate Clube, tiveram média de 10 nós e ventos do quadrante sul.

A comissão liderada por Cuca Sodré fez duas provas para os ORC. Uma de percurso e outra no barla-sota, entre bóias. Já os RGS e os Bico de Proa, agora chamados de Cruiser, tiveram apenas uma.

Destaque para o veleiro Bravo! O Skipper 30 de Jorge Berdasco assumiu a liderança da classe ORC após três regatas. O veleiro de cor vermelha superou os S40 na tabela e entra no último dia com vantagem, superando o Phytoervas 4Z, vencedor de duas regatas até o momento, mas que na primeira do dia ficou em último lugar.

”Hoje deu tudo certo! Foi uma regata bem difícil, com mar mexido na de percurso, ganhamos dos Sotos. Depois uma barla-sota onde terminamos bem. O campeonato está bem embolado, temos que fazer conta agora e velejar bem no último dia para ser campeão”, disse Jorge Berdasco, que após o Ubatuba Sailing Festival vai migrar 100% para seu C30 de cor laranja.

O Bravo soma 6 pontos perdidos, contra 8 do Phytoervas e 9 do Argos, que são Soto 40, considerados um dos mais rápidos da vela oceânica nacional. Seguem na sequência o King (S40), Abas VI (B&C46) e Inaê Soto Transbrasa (S40).

”Feliz por ter vencido a última regata do dia depois de uma prova bem difícil na primeira. É um campeonato bem interessante e vamos brigar pelo título amanhã”, disse Marcelo Bellotti do Phytoervas.

O evento está em 15ª edição e é organizado pelo Ubatuba Iate Clube e apoiado pela ABVO – Associação Brasileira de Veleiros de Oceano. Mais de 40 equipes participam do campeonato no litoral norte paulista.

O descarte do pior a partir da quarta etapa pode mudar os rumos do USF.  A competição será concluída neste domingo (31). Mais de 40 equipes participam do Ubatuba Sailing Festival.

Entre os RGS, a comissão fez apenas uma regata em Ubatuba (SP). O melhor do dia foi novamente o Super Bakanna entre os Cruiser, antigos BDP. O modelo RC 33 de Alexandre Dangas tem vantagem de três pontos sobre o Kon Tiki, de Michael Downey. Na versão B dos Cruiser, o Cisco Kid (Norival Faria Jr) é o líder com folga.

”Cada barco é diferente e é muito legal a RGS Cruiser, pois oferece a todo mundo a oportunidade de competir, mesmo que não seja profissional da vela ou olímpico. Aqui a gente tem a chance de se divertir ”, contou Mariana Siqueira do Super Bakanna

”É a terceira vez que participamos da Bico de proa no USF. Estamos bem acolhidos aqui e é perto de Paraty, onde fica nosso barco. Velejamos com classe, temos empanadas e vinho a bordo”, reforçou Michael Downey ao lado de seus amigos no veleiro, um Dufour 405 no meio de tantos Deltas, Oceanis e Jeanneau dos Cruisers.

O Fast303 batizado de Mais Rabugento Cognac Sails, do comandante Pedro Henrique Gonçalves dos Santos, segue em primeiro e pode ser campeão se mantiver sua ampla vantagem sobre o Força Maior (Ramiro José Eli).

Sobre a ABVO

Fundada em 1955, a Associação Brasileira de Veleiros de Oceano é a única entidade de promoção da Vela de Oceano no Brasil. Braço oficial da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), a ABVO é responsável por organizar competições anuais e contribuir para o legado de um dos esportes mais vitoriosos do país, tanto nas classes olímpicas quanto nas não olímpicas.

A ABVO tem o santista Bayard Umbuzeiro Neto como Comodoro, o bicampeão olímpico Torben Grael como 1º Vice-Comodoro, e Paulo Cezar Gonçalves, o Pileca, como 2º vice-Comodoro.

Dentre os objetivos da atual gestão, estão promover a otimização e a racionalização do calendário nacional, estreitar o relacionamento com os clubes para viabilizar eventos e agregar um maior número de barcos participantes das diversas flotilhas regionais, oferecer suporte técnico em todos os níveis para as competições, otimizar a apuração instantânea dos resultados e articular com o Governo Federal incentivos tributários e melhores condições para a importação de embarcações, entre outros.

Foto: Flávio Perez | On Board Sports