Brasileiro de Snipe 2024 começa no Iate Clube do Rio de Janeiro

0
44

Competição bate recorde de participantes na Baía de Guanabara

A 74ª edição do Campeonato Brasileiro de Snipe começou nesta terça-feira (23), no Iate Clube do Rio de Janeiro, na capital fluminense. O evento bateu recorde de participantes com 118 barcos inscritos, que somam entre eles 26 títulos mundiais na classe.

A competição, que vai até o sábado (27), conta com a presença de velejadores de seis países diferentes, são eles: Brasil, Argentina, Portugal, Estados Unidos, Lituânia e Holanda. Os atuais bicampeões nacionais são Juliana Duque e Rafa Martins, do Yacht Clube da Bahia.

Destaque para a volta do maior medalhista olímpico do país, Robert Scheidt, à categoria. O velejador compete ao lado do filho Erik.

”A Snipe é uma das classes de maior prestígio e número no Brasil. Muitas gerações de grandes velejadores passaram por aqui. Em 1992 disputei meu último Brasileiro, então tem uma lacuna enorme aí. Agora me convenceram a vir correr o Campeonato, com grandes amigos de longa data”, disse Robert Scheidt, do YCSA.

Além de Scheidt, o campeonato conta com outros grandes nomes da vela brasileira como Alexandre Paradeda, Bruno Bethlem, e as atuais campeãs mundiais da classe Juliana Duque e Bruna Patrício, que estarão em duplas separadas nesse evento.

Além de consagrados nomes do esporte, a geração mais jovem vem em peso e promete brigar por boas colocações no resultado geral. A classe está passando por um bom momento de renovação, com atletas de até 23 anos ganhando espaço no topo da disputa.

Atleta do YCSA, Bruna Patrício, atual campeã Mundial de Snipe ao lado de Ju Duque, comenta sobre as expectativas do campeonato. ”Tivemos bons treinos antes do campeonato, estamos bem animados. Vai ser um campeonato de alto nível e queremos nos colocar bem além das categorias mista e jovem”.

As regatas de terça-feira (23) não foram realizadas por falta de condições. A programação prevê mais provas na quarta-feira (24). Ao todo devem ser realizadas nove regatas.

Apoio à vela Jovem

A vela brasileira tem como destaque o Núcleo de Base do programa da Confederação Brasileira de Vela – CBVela junto ao Ministério do Esporte pelo Convênio 920223/2022.

O projeto ajuda no fomento à modalidade desde o ano passado. Sede da Rio 2016 e de outros grandes eventos da vela, a Marina da Glória, na capital fluminense, recebe adolescentes entre 13 e 17 anos para treinos visando eventos nacionais e internacionais da Vela Jovem. Outros campings de treinamento foram realizados no Clube Naval Charitas, em Niterói (RJ).

O trabalho leva jovens atletas a se aperfeiçoarem na modalidade, com o propósito de levá-los ao alto rendimento, incluindo participações em classes olímpicas e pan-americanas.

Sobre a CBVela

A Confederação Brasileira de Vela (CBVela) é a representante oficial da vela esportiva do país nos âmbitos nacional e internacional. É filiada à Federação Internacional de Vela (World Sailing) e ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

A vela é a modalidade com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do esporte do Brasil: oito. Ao todo, os velejadores brasileiros já conquistaram 19 medalhas em Jogos Olímpicos.

Foto: Fred Hoffmann