Final da Globe40: AHMAS assume a ponta nos Açores

0
85

A tripulação anglo-americana do AMHAS assumiu a liderança da última etapa da Globe 40, a volta ao mundo em duplas.

O barco pegou a dianteira rumo a Lorient, na França, na passagem pelas ilhas dos Açores, a oeste do arquipélago português.

A vantagem superou 50 milhas sobre seu concorrente mais próximo no sul, a equipe holandesa do SEC HAYAI.

Nesta oitava e última perna do GLOBE40, Craig Horsfield e Oliver Bond já percorreram quase 2590 milhas, faltando cerca de 1270 milhas para chegar ao destino final em Lorient, na Bretanha.

Eles saíram da caribenha Granada para o sprint final.

”Assim como seus concorrentes, eles estão tendo que lidar com condições particularmente difíceis, com uma frente passando gerando ventos de 40 nós de SSW, com rajadas de até 55 nós e mar agitado com ondas de 6 a 7 metros”, disse Manfred Ramspacher

O GRYPHON SOLO 2 atingiu uma velocidade de barco de até 62 nós na noite passada.

O AMHAS está à frente das últimas previsões e poderá cruzar a linha de chegada final desta epopeia ao redor do mundo na terça-feira, 14 de março.

Um último teste antes da chegada

Tendo zarpado da ilha mais ao sul das Antilhas, Grenada, em 24 de fevereiro, a frota seguiu inicialmente em direção ao norte, passando por todas as ilhas do arco do Caribe cujos nomes evocam uma sensação de tranquilidade: São Vicente e Granadinas, Santa Lúcia, Martinica e Dominica.

A WHISKEY JACK até estendeu sua estadia com uma parada não programada em Guadalupe no domingo, 26 de fevereiro, para um reparo rápido em um de seus lemes.

Infelizmente, a parada custou caro à equipe na semana seguinte, que foi marcada por uma zona de alta pressão impressionante em escala e duração. De fato, a ampla área de calmaria se estendeu da costa marroquina às Bahamas, com até 400 milhas de largura, e durou um período de tempo reminiscente da zona de convergência intertropical. Presos por dias em ventos fracos ou zero, os skippers não tiveram outra opção senão esperar o vento voltar.

Logo em seguida, eles voltaram com força, pois ao se agarrarem à borda sul de um sistema de baixa pressão localizado no Atlântico Norte, finalmente puderam subir até a latitude do arquipélago dos Açores, embora à mercê de algumas depressões de inverno.

As condições das últimas 24 horas realmente colocaram as máquinas e os marinheiros à prova, e mais do mesmo deve ser servido nas próximas 24 horas.

Depois de já terem percorrido mais de 30.000 milhas desde o início do evento em junho do ano passado, tudo se resume a encontrar um equilíbrio na regata para a chegada.