The Ocean Race – O maior desafios dos velejadores da categoria Imoca é a convivência em grupo a bordo

0
179
13 January 2023, IMOCA Skippers Press conference in Alicante: Boris Herrmann, Team Malizia.

 

  • “Quando você navega sozinho, muitas vezes você não está estressado, pois pode fazer as coisas em seu próprio tempo, mas como capitão você tem um conjunto adicional de responsabilidades para a tripulação, então espero me sentir mais estressado no início”, disse Meilhat.
  •  “Há uma boa camaradagem nesta classe e espero que possamos continuar assim durante a regata”. Boris Herrmann, capitão da equipe Malizia (GER) .

Momento finais de preparativos para largada da décima edição da The Oceaan Race, acontece uma da coletiva de imprensa dos skipper,  em meio a um período intensamente agitado enquanto se preparavam para a corrida de 32.000 milhas de sete pernas ao redor do mundo.

Apresentação de sexta feira, 13, de todos os 11 skippers de ambas as frotas IMOCA e VO65 significou uma etapa chave no caminho para a Corrida Oceânica, dois dias antes do início desta corrida clássica e histórica no domingo à tarde.

13 January 2023, IMOCA Skippers Press conference in Alicante: Boris Herrmann, Kevin Escoffier, Benjamin Dutreaux, Paul Meilhat, Charlie Enright
13 January 2023, IMOCA Skippers Press conference in Alicante: Boris Herrmann, Kevin Escoffier, Benjamin Dutreaux, Paul Meilhat, Charlie Enright
13 January 2023, IMOCA Skippers Press conference in Alicante: Boris Herrmann, Kevin Escoffier, Benjamin Dutreaux, Paul Meilhat, Charlie Enright

 

IMOCA

Este é também o 50º aniversário do evento, tornando ainda mais pertinente que a 14ª edição inclua a etapa mais longa de sua história, 12.750 milhas da Cidade do Cabo, África do Sul até Itajaí, Brasil. Espera-se que a etapa leve 30 dias enquanto a frota da IMOCA se dirige às profundezas do Oceano Sul.

Quando perguntado, ficou claro que o desafio e o significado desta perna,   os capitães da IMOCA que são todos altamente confiantes no sucesso de sua realização..

“Eu nunca tinha feito 30 dias (com uma tripulação a bordo) antes em minha vida”, admitiu o co-capitão Benjamin Dutreux GUYOTTeam Europe (FRA/GER).

Outros foram igualmente francos.

“Acho que a Perna 3 será particularmente difícil, pois se tratará de saber quando abrandar e quão difícil de empurrar”, disse o skipper da 11th Hour Racing Team (EUA) Charlie Enright.

“Podemos acabar navegando a 70% sob piloto automático porque é tudo o que os barcos podem manejar, é uma grande questão, com certeza”. Mas do ponto de vista de um espectador, o percurso parece uma corrida até a África do Sul, sobrevivência até o Cabo Horn e uma corrida de volta até o final”.

No entanto, nem todos os skippers concordaram sobre qual perna seria a mais difícil.

“Com certeza a perna 3 será difícil quando nos dirigimos para o sul, mas três de nossa tripulação já estiveram lá antes de navegar sozinhos em uma IMOCA”, disse Paul Meilhat da Biotherm (FRA). “Para nós são as Pernas 1 e 2 que serão as mais difíceis”. Não fizemos nenhum treinamento juntos para esta regata, a primeira vez que navegamos como tripulação foi há uma semana, portanto, vamos descobrir como cinco de nós trabalhamos juntos no barco”.

https://youtu.be/iHd2s3tCVg4

 

O desafio de velejar com uma tripulação completa também deu respostas que talvez não fossem esperadas. Embora os benefícios de poder compartilhar a carga física de administrar o barco e manter a pressão sobre ele sejam claros, aqueles com experiência solo destacaram a pressão adicional que uma tripulação completa poderia trazer.

“Quando você navega sozinho, muitas vezes você não está estressado, pois pode fazer as coisas em seu próprio tempo, mas como capitão você tem um conjunto adicional de responsabilidades para a tripulação, então espero me sentir mais estressado no início”, disse Meilhat.

O capitão da equipe Holcim PRB (SUI), Kevin Escoffier, concordou.

“É mais fácil quando você navega sozinho, mas com outros quatro você tem que pensar neles”, disse ele.

Para Dutreux, é a mistura de culturas e habilidades que está em sua mente antes do início.

“Temos diferentes culturas dentro da tripulação que incluem muitos pontos fortes e o que precisamos fazer é administrar isto bem para conseguir o melhor para a equipe”.

Para os espectadores e seguidores do evento, o desempenho impressionante do IMOCAs é um dos grandes apelos nesta corrida, mas altas velocidades vêm com risco, algo que Escoffier destacou. O desenvolvimento de um barco que irá desempenhar o resto da frota faz parte da competição e significa que as equipes sempre terão seus próprios segredos.

“Mas se for uma questão de segurança, compartilharemos informações que possam ajudar”, disse ele. “Eu não gostaria de ganhar uma perna sabendo que um barco havia quebrado porque a informação não foi compartilhada”.

O capitão da equipe Malizia (GER), Boris Herrmann, concordou. “Há uma boa camaradagem nesta classe e espero que possamos continuar assim durante a regata”.

Ser o primeiro a anunciar sua campanha e ter um período de três anos até a largada com uma nova IMOCA projetada especificamente para as corridas de 11ª Hora de corrida totalmente tripuladas tem sido a favorita, mas Enright apontou, qualquer vantagem percebida tinha que ser vista no contexto.

“Três anos em relação à quantidade de experiência que vejo aqui com os velejadores à minha direita é apenas um piscar de olhos no meu radar”, disse ele.