Entrevista de Ian Walker a Yacht Racing

0
73

Em entrevista à Yacht Racing, o britânico Ian Walker falou sobre o percurso da The Ocean Race 2021-22.

O evento, que deve começar em outubro do ano que vem, está mais curto – 38 mil milhas náuticas – e com menos duas stopovers do que as edições anteriores.

Em 2015, o velejador se tornou o primeiro e único skipper britânico a levantar o troféu da Volvo Ocean Race após vencer a regata com a Abu Dhabi Ocean Racing.

”Os velejadores preferem pernas mais longas. Não gostam de pit-stops para entrar no ritmo”, disse à publicação escrita pelo editor Justin Chisholm, um dos maiores especialistas em vela oceânica do mundo.

”Existe sempre um equilíbrio difícil entre a necessidade comercial de visitar muitas paradas e as equipes desejam manter os custos baixos, minimizando as escalas”

”Acho que os velejadores geralmente preferem as pernas mais longas no mar Tentar navegar em todas as zonas de exclusão no Mar do Norte e no Canal da Mancha é um pesadelo, assim como o Mediterrâneo”

Desde que anunciou sua aposentadoria das campanhas ativas, Ian Walker trabalha como diretor da Royal Yachting Association (RYA) – uma função que abrange a equipe olímpica de vela britânica.

Leia na íntegra — https://yachtracing.life/the-ocean-race-ian-walker-on-the-2021-22-edition-route/

Ian Walker tem duas medalhas de prata olímpicas (1996 e 2000).

Ele comandou também a campanha da British America’s Cup em 2002.

Veja mais análises em português

”Fiquei um pouco desapontado por a tradicional perna 1 de Alicante à Cidade do Cabo ter sido dividida em duas etapas”.

”Sempre foi minha perna favorita que tem um pouco de tudo, incluindo uma das poucas oportunidades de fazer jogadas táticas”.

”Acho que três semanas é um bom período de tempo para a primeira etapa de uma regata oceânica, dando tempo para se ajustar a uma rotina e é uma pena dividi-la em duas”.

”O início da Perna 2 será difícil, pois você terá que escapar do mar de Cabo Verde, que é realmente alto e pode afetar o vento por centenas de quilômetros e logo depois cruzar os Doldrums”.

”As algas marinhas do mar dos Sargaços serão um desafio para os aventureiros!”

”Eu acho que a Cidade do Cabo para Shenzhen será muito difícil”.

”Posso dizer-lhe que deixar a Cidade do Cabo e negociar a corrente de Agulhas é uma das partes mais difíceis de toda a prova e, em algum momento, você deve ir para o leste contra os ventos alísios e atravessar os Doldrums – o que pode ser realmente amplo no Índico”.

”Penso que a perna da China para a Nova Zelândia não será muito divertida em um IMOCA 60, pois o vento estará de frente  a maior parte do tempo e, às vezes, risco de tufão”.

 
Por Flávio Perez