Transat Jacques Vabre faz entrevista com Alex Thomson (Hugo Boss)

0
97

Em um vídeo enviado pelo comunicação do Hugo Boss, os velejadores Alex Thomson e Neal McDonald explicaram a decisão de cortar a quilha do monocasco de 60 pés, as implicações disso e o que vai acontecer agora.

O veleiro deu adeus à Transat Jacques Vabre Normandie Le Havre após cortar a quilha no fim de semana.

Alex: Olá pessoal. Não foram as melhores 36 horas para nós. Ontem, por volta das 9 horas, atingimos algo muito forte na água e, quando digo muito, estávamos fazendo cerca de 25 nós e paramos completamente. Foi uma experiência bastante aterrorizante. Neal estava do outro lado e eu estava de pé exatamente onde estava agora, em frente ao pedestal. Nesse tipo de velocidade, é como estar em um acidente de carro ou bater em uma parede de tijolos a 48 km por hora. Acabei lá no chão, embaixo da mesa do guincho, com muita dor e Neal acabou esmagando a antepara. Muito, muito desagradável e realmente bastante assustador. Nós dois ficamos um pouco chocados depois. Muito rapidamente depois, dei uma olhada rápida lá embaixo no buraco da quilha e disse a Neal ‘há luz do dia lá embaixo’, o que também foi bastante assustador, não foi?

E o óbvio para isso foi que, como não havia quilha naquele momento, nós tínhamos perfurado e o barco quando ele atingiu o que quer que atingisse ficou muito difícil de andar e caiu de lado. E, claro, sem quilha, viramos. Felizmente, a quilha ainda estava presa, mas apenas por uma peça hidráulica. Então, o primeiro trabalho foi realmente colocar o barco em pé novamente, então fizemos isso. Então a quilha estava pendurada nos braços hidráulicos do lado de fora do barco, então voltamos direto para a nossa equipe para tentar descobrir o que fazer e o melhor pensamento era realmente tentar estabilizá-la naquele momento. Mas ontem à noite estava muito claro que não conseguiríamos estabilizá-lo. Então, abaixamos a cabeça e dormimos um pouco e, nesta manhã, cortamos a quilha.

Muito desconfortável, demorou horas e horas e horas, mas finalmente conseguimos três quartos e, de repente, enquanto estávamos descansando, houve um pequeno estalo e a quilha caiu no fundo do oceano.

Agora, o problema óbvio agora é que não estamos muito estáveis, então nos inclinamos para cerca de 30 graus na condição atual e [se] não deixarmos as velas para fora, o barco vai virar. Então, é um pouco estressante agora, mas na verdade não tínhamos opção; a quilha estava se movendo destruindo o barco e, bem, poderíamos acabar com muita água no barco.

Já temos bastante água no barco, mas agora é controlado e decidimos que a opção mais segura é navegar para as Ilhas Cabo Verde, por isso estamos indo para o sul. Nós vamos ter um pouco de vento. Temos apenas 10 ou 11 nós no momento, então estaremos diminuindo a velocidade. Tenho certeza de que haverá momentos no caminho em que estaremos embaixo de bastões nus para tentar parar o barco inclinando-se e indo rápido demais e, com sorte, nunca chegando a 30 graus.