Coluna do RepórterAdilson Pacheco: Parada brasileira da The Ocean Race agora é Santa Catarina Itajaí Host City

0
550

Coluna do Adilson Pacheco –Jornalista, Editor do Regatanews.com.br e Executivo da  Editora Digital APBC
Contato com colunista: adilsonpacheco@regatanews.com.br


“Agora é oficial”

 

Pois é, “Agora é oficial!” a afirmativa está no release da Prefeitura de Itajaí que aponta –  Itajai é a parada brasileira da The Ocean Race. Bom, para nós daqui da redação – não é nenhuma novidade, entretanto é um momento de muita importância para a economia da cidade – e nossa pauta principal a partir de agora.

 

Mais: https://www.theoceanrace.com/

Hummm, a partir de agora não, tudo começou para nós em março de 2010….e nunca mais paramos!.

 

Os ganhos com a parada,nasta ver que, em menos um mês de stopover a cadeia produtiva local pode fatura 400 milhões. Isto, sem abordar os aspecto promocionais que a cidade já vem obtendo desde de 2010. Inquestionavelmente – Itajai, suas autoridades e comunidade precisam se reinventar e abraçar por inteira esta regata que só trouxe para cidade projeção mundial, novos empregos, mais renda. E mais, a cidade é hoje é a Capital Catarinense da Vela e polo náutico nacional.

Mas tem um desafio pela frente, se reinventar a cada edição do Ocean Race. Eles chegam à Itajai em abril de 2021.  Entretanto, já na coletiva de imprensa concedida na manhã de quarta no Centreventos situado na Vila da Regata com os organizadores nacionais da quarta parada – este repórter perguntou ao prefeito Volnei Morastoni – se a cidade se candidataria para uma quinta edição – vamos deixar Morastoni falar, “para não dizer que eu disse, o que o outro não disse! Mas que gostaria de dizer, mas não disse”

 


Mais barcos!

A edição 2021-2022 da The Ocean Race terá duas classes de barcos pela primeira vez em 25 anos. A novidade é a classe IMOCA 60, menor e de alto rendimento, que disputa o troféu The Ocean Race. Os monotipos VO65, que competiram nas últimas edições, continuam, mas agora lutarão pelo troféu Ocean Challenge. O resultado disso será uma regata mais rápida, mais extrema e mais difícil de ganhar.

A largada da maior regata de volta ao mundo será em Alicante, na Espanha, no segundo semestre de 2021. A chegada dos barcos ocorrerá em Gênova, na Itália, em junho de 2022, após nove paradas. As cidades já confirmadas são: Alicante, Aarhus (Dinamarca), Haia (Holanda), Mindelo/Ilha de São Vicente (Cabo Verde), Gênova e Itajaí.

https://youtu.be/BUihkBDAqEQ


Santa Catarina Itajaí Host City.

“Mas edições anteriores o Governo do Estado investia recursos, mas não participava. Entretanto, agora vamos estar juntos, vai estar a marca e toda estrutura de Governo voltado para a regata, quem a apresenta esta novidade é a presidente da Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa Catarina (Santur), Flavia Didomenico

Esta é Uma das novidades da edição 2021-2022 é o maior envolvimento do Governo do Estado na organização do evento. Desta vez, a parada carregará o nome do estado e passa a se chamar Santa Catarina Itajaí Host City. A divulgação do Estado como destino turístico também será reforçada durante a regata, além de outras contrapartidas ambientais e esportiva.

 


Impacto Econômico

A última edição da The Ocean Race, nova identidade da Volvo Ocean Race, teve mais de R$ 83 milhões de impacto econômico em Santa Catarina – 28% a mais do que a parada de 2015. Ao todo, 75% desse montante ficou em Itajaí e região. O Governo Estadual, por exemplo, arrecadou mais de R$ 5 milhões em impostos.

O setor hoteleiro do município foi o maior impactado, lucrando em torno de R$ 5 milhões com o evento. A vinda da regata internacional também fez com que a rede hoteleira de Itajaí triplicasse o número de leitos para atendimento aos visitantes.

 


 


São Sebastião perde. Itajai conquista com 1 milhão à menos!

O prefeito Volnei Morastoni – conta que pesaram a favor da cidade o sucesso das últimas três paradas realizadas em 2012, 2015 e 2018, além do carinho do povo itajaiense com os velejadores e a organização da etapa, considerada a mais difícil da competição.

Um detalhe o prefeito de São Sebastião por coincidência, teria uma reunião com Morastoni na quarta-feira, entretanto o encontro foi cancelado. Uma das possíveis razões: São Sebastião disputava com Itajai a sede da The Ocean Race. Mas a cidade catarinense ganhou com um investimento de 1 milhão a menos do que oferecia a cidade paulista, mesmo apoiada pelo Secretário de Turismo de São Paulo, o catarinense Vinicius Lummertz.

“É uma alegria e um orgulho para nossa cidade receber novamente a The Ocean Race. Isso consolida Itajaí como Polo Náutico do Brasil, fortalecendo a economia do mar e o turismo de toda região. Além disso, é um evento que leva o nome de Santa Catarina e do Brasil para o pódio mundial”, afirma o prefeito Volnei Morastoni.

 


Marina Itajai no centro da Vila da Regata da parada brasileira 

A Marina Itajai é um dos legados da Volvo Ocean Race. Ela não somente hospeda barcos, como é uma geradora de emprego e renda na região.  O local é um point de eventos de sucesso, como por exemplo o Salão Náutico Marina Itajaí encerrou sua quarta edição   com 17,4 mil visitantes, em quatro dias, e um volume de negócios gerados e prospecções que alcançam R$ 50 milhões. O diretor executivo da Marina Itajai Manuel Carlos Maia de Oliveira

– fala da expectativa para a quarta parada da regata volta ao mundo;