Novo nome da TJV: Transat Jacques Vabre Normandia Le Havre

0
281

A organização da 14ª edição da Rota do Café anunciou, nesta terça-feira (17), no teatro da Torre Eiffel, em Paris, na França, o novo title sponsor da regata, que passa a se chamar Transat Jacques Vabre Normandia Le Havre.

O evento, um dos principais da vela oceânica mundial, tem largada marcada para 27 de outubro, de Le Havre, com destino a Salvador, na Bahia. A regata terá 60 duplas confirmadas, recorde histórico de participantes.

A Região da Normandia, parceira da prova desde 2017, une forças ao lado dos dois parceiros fundadores da regata, que são Le Havre e Jacques Vabre, para desenvolver este evento com fortes raízes normandas.

O grupo mantém as fortes raízes da Normandia, região da França onde está localizada a cidade de Le Havre!

Com uma participação financeira quase quatro vezes maior que em 2017, a região se torna um dos principais parceiros do evento.

“A região da Normandia está particularmente satisfeita em fortalecer seu apoio a essa corrida, que contribui para o desenvolvimento econômico, turístico e esportivo de nossa região”, disse Hervé Morin, presidente da região da Normandia.

 60 duplas, 120 skippers

A edição de 2019 da Transat Jacques Vabre Normandia Le Havre já é histórica! Será a primeira vez desde a criação da chamada Rota do Café, em 1993, que tantos velejadores se aventuram pelo Oceano Atlântico.

Serão 60 barcos com velejadores de 10 nacionalidades diferentes, ou seja, 120 skippers. Os atletas estarão distribuídos em três classes de barcos : 27 duplas na Class40, três na Multi50 e 30 na IMOCA.

O start list da Transat Jacques Vabre Normandia Le Havre se mostra bem eclético, misturando campeões, velejadores experientes, nova geração e amadores.

Navegadores suíços, alemães, belgas, britânicos, norte-americanos, irlandeses, finlandeses, italianos, turcos e até japoneses se somam à maioria francesa na prova.

Serão 12 barcos lançados recentemente em ação rumo ao Brasil (6 Class40 e 6 IMOCA).

A Transat Jacques Vabre Normandia Le Havre continua sendo a maior regata transatlântica do mundo com 4.350 milhas de percurso.

É uma prova difícil com repleta de armadilhas meteorológicas. É uma referência no calendário de regatas de oceano.

 Le Havre, uma cidade em festa

Na abertura da vila da regata, sexta-feira, 18 de outubro, às 14h, o público verá pela primeira vez e perto os 60 barcos na bacia Paul Vatine.

A Transat Jacques Vabre Normandia Le Havre se volta este ano ao desenvolvimento sustentável, com ações como a exposição Ocean as Common, um mural colaborativo que será oferecido à ONU para aumentar a conscientização sobre a proteção dos oceanos e o #NoPlasticChallenge, um desafio para reduzir nosso consumo de plástico.

O evento terá também entretenimento com shows durante os 10 dias da vila. O ponto alto da festa fica para a véspera da largada, no sábado, dia 26 de outubro, às 20h, com um show de fogos de artifício.

 Eles disseram

Hervé Morin, Presidente da Região da Normandia

“Eventos como a Transat Jacques Vabre ajudam a fortalecer a Normandia como uma grande região marítima, uma terra de navegação, visível e atraente nacional e internacionalmente. Desejo boa sorte aos capitães normandos e saúdo o envolvimento da Liga de Vela da Normandia e todos os voluntários para tornar esta competição um sucesso total. ”

Jean-Baptiste Gastinne, prefeito de Le Havre

“Estamos felizes em receber a partida do Transat Jacques Vabre, um evento obrigatório para os Havrais, que faz parte de seus corações há mais de 25 anos. A maior regata oceânica em duplas é de fato uma aventura “havraise”: desde a sua criação”. A regata deixa a Porte Océane, dedicando assim o lugar ao Havre como uma das grandes cidades náuticas e o primeiro porto francês para o tráfego café”.

Juan Amat – Jacques Vabre

“É um verdadeiro orgulho para o grupo JDE e a marca Jacques Vabre ser os co-fundadores de um grande evento do calendário náutico que permanece fiel às suas origens, ainda seguindo as principais rotas marítimas do café. Quem é mais legítimo que o JDE, líder do mercado de café na França, para fazer parte da “A Rota do Café?

A Transat Jacques Vabre é uma aventura esportiva e humana excepcional! Poucos eventos podem reivindicar tal sucesso.

Desejo boas-vindas a região da Normandia e uma excelente travessia para os 120 capitães envolvidos nesta 14ª edição “.

 Jérémie Beyou, Charal (IMOCA)

“Só tenho boas lembranças da Transat Jacques Vabre. Fiquei muito orgulhoso por ter vencido em 2011 com Jean-Pierre Dick! Acho que essa regata é renovada a cada edição, mantendo seus fundamentos: um percurso que parece um começo de volta ao mundo com suas dificuldades, uma bela competição na água, novos barcos. É inevitável. Este ano, a flotilha está muito qualitativa, todos navegaram muito”.

Maxime Sorel, V e B Mayenne, (IMOCA)

“A Transat Jacques Vabre tem duas coisas: a pré-largada em Le Havre, onde a atmosfera é sempre super agradável e a regata em si, tão intensa! Esta edição promete grandes brigas em todos os níveis. Mal posso esperar para conhecer meus companheiros, é novo para mim estar no IMOCA e provavelmente vou aprender o máximo! “.

Thibaut Vauchel-Camus, Solidaires en Peloton ASERP (Multi 50)

“Haverá muitas caras novas este ano na categoria Multi50 e também no MOCA e Class40. É o que há de bom na Transat Jacques Vabre? Há uma grande mistura de gerações. Gosto desta regata porque combina maravilhosamente com a competição a parte festiva e popular no início e no final. ”

Aymeric Chappellier, Aina, (Classe 40)

“Eu gosto da Transat Jacques Vabre. Primeiro, é muito bom chegar a Salvador, na Bahia, e este percurso exige muito comprometimento. Primeiro fisicamente, pois as duas pessoas se esforçam 100% no barco, e mentalmente porque é necessário apostar na estratégia a ser adotada. Depressões de inverno, ventos alísios, calmaria, ventos alísios do hemisfério sul, isso é muito interessante. Meu objetivo? Eu já disse isso há dois anos e repito: vitória! “.

Basile Bourgnon, Edenred (Classe 40)

“Faz um tempo desde que sonhei com a Transat Jacques Vabre! Meu pai (Laurent Bourgnon) ganhou com meu tio (Yvan Bourgnon) em 1997. Esta é uma grande chance que o Emmanuel Le Roch me ofereceu. Estou muito empolgado para velejar contra os melhores”.