ArcelorMittal Wahine Bodyboarding Pro transforma Serra (ES) no centro mundial da modalidade na próxima semana

0
40
bodyboarding

Evento, em sua terceira edição, começa neste sábado (20) e movimenta a cidade de Serra até o próximo dia 27, reunindo as melhores atletas do mundo, de seis países: Brasil, Chile, França, Japão, Peru e Portugal

As atenções do bodyboarding estarão voltadas para o Brasil a partir deste sábado (20). Com a disputa da etapa feminina do Circuito Mundial de Bodyboarding, o ArcelorMittal Wahine Bodyboarding Pro, o Espírito Santo será o centro mundial da modalidade até o próximo dia 27. A cidade de Serra receberá atletas de seis países: Brasil, Chile, França, Japão, Peru e Portugal.  Estarão competindo as principais bodyboarders do ranking, com a presença de campeãs mundiais, na disputa por vitórias e títulos, com 78 participantes em cinco categorias, na praia de Jacaraípe. A premiação total será de 37 mil dólares (190 mil reais).

A edição 2024 reunirá 39 atletas na categoria Profissional: 23 do Brasil, seis de Portugal, cinco do Japão, três do Chile, uma da França e uma do Peru. Entre elas, a atual campeã e melhor bodyboarder do mundo, a japonesa Sari Ohhara, número 1 do ranking mundial, que vai em busca do bicampeonato.

“Muito feliz de estar aqui novamente. É o terceiro ano em que participo. E contente de ver lendas do bodyboarding reunidas. Quando eu era adolescente, eu as acompanhava e isso me motivou. Espero também me tornar inspiração para as jovens atletas, como elas foram para mim. Vou fazer o meu melhor. Estou me sentindo adolescente outra vez”, afirmou Sari, 29 anos, durante a coletiva para a imprensa, realizada na manhã desta sexta-feira (19), na ArcelorMittal, em Serra.

Entrarão na água, também, as capixabas Luna Hardman, Maíra Viana e Maylla Venturin, e a paranaense Francis Aoto, brasileiras que são top 10 no ranking mundial, respectivamente em segundo, terceiro, quinto e nono lugares. Destaque, ainda, para a portuguesa Joana Schenker e as japonesas Namiko Yamashita e Kyra Shirahase, empatadas em quinto lugar. E para a carioca, radicada no Havaí, Dani Freitas, tricampeã mundial na década de 90. Ela também participará da categoria Máster, ao lado de outra estrela dos anos 90: a carioca Mariana Nogueira – que comemorou o título em Serra no ano passado.

“Praticamos o melhor esporte do mundo. Ele nos mostra que podemos pegar onda aos 50, 60, 70 anos, todas as idades. Transforma vidas. E vou em busca de nova vitória. Quem está no jogo, é para jogar”, disse Mariana, 52 anos.

“Competir em casa é sempre especial, com minha família por perto, meus avós que vão estar na praia, apoio que ajuda na busca pelos resultados. É curtir muito esse evento. Que seja lindo! Estou muito feliz por participar mais uma vez”, destacou Luna, 18 anos.

Cinco categorias – Além da Profissional, o ArcelorMittal Wahine Bodyboarding terá disputas válidas pelo título mundial na Pro Junior (14 participantes) e Máster Woman (30 inscritas), e as categorias Open (Amador, com 18 atletas) e PCD (mastectomizadas, amputadas e deficientes visuais, com 12 representantes) – voltadas para inclusão e fomento. E uma bateria que promete, mais uma vez, chamar a atenção de todos é a que reúne mães e filhas, promovendo união e empoderamento feminino.

Paralelamente às competições, serão programadas diferentes atividades, como passeio por pontos turísticos, marcado para a tarde desta sexta-feira (19), assim como ações voltadas para música e cultura, entre muitas atrações.

“Muita expectativa para esta terceira edição do ArcelorMittal Wahine Bodyboarding Pro. Serra, mais uma vez, reúne o melhor do bodyboarding feminino mundial. A cada ano, mais atletas se motivam a vir, muitas que não conheciam o Espírito Santo antes. E isso é muito gratificante. Um sonho realizado”, observou Neymara Carvalho, pentacampeã mundial de bobydboarding e organizadora do evento. Número 15 do mundo, a capixaba disputará a categoria Profissional.

Bernardo Enne, gerente de Comunicação e Relações Institucionais da ArcelorMittal, ressaltou o caráter inclusivo do campeonato. “O ArcelorMittal Wahine Bodyboarding Pro tornou-se mais que uma competição esportiva. É uma oportunidade de celebrar a inclusão, a diversidade e o empoderamento feminino, que são temas que fazem parte da nossa agenda corporativa. Temos grande orgulho de participar desse projeto, junto com a Neymara, e poder trazer tantos talentos femininos nacionais e internacionais do esporte para mostrar suas técnicas e habilidades aqui no nosso Estado”.

Atletas PCD fazendo história –  As atletas PCD fizeram história nas duas primeiras edições e, em 2024, o evento se torna ainda mais inclusivo. Ao lado de mastectomizadas e amputadas, estarão, também, pessoas com deficiência visual. A categoria conta com a consultoria do professor Hudson Renato, técnico esportivo do Comitê Paralímpico Brasileiro – em atletismo e natação paralímpica. E entre as participantes estão a vencedora do ano passado, a pernambucana Carla Cunha, e a  vice-campeã em 2023, Letícia de Oliveira Alves.

“Estou começando praticamente nesse mundo, passei a competir em 2021, e me sinto muito contente em ver essa categoria crescer. Esse esporte me trouxe novas perspectivas, me devolveu a vida”, garantiu Carla, 42 anos.

Aulão social – A programação da etapa tem início neste sábado com o Aulão Social de Bodyboarding, um projeto social idealizado pelo Instituto Neymara Carvalho. Neymara estará na Praia de Carapebus ao lado de outras atletas campeãs mundiais. São esperados cerca de 200 alunos.

O Wahine Bodyboarding Pro 2024 tem patrocínio máster da ArcelorMittal, do Governo do Estado do Espírito Santo por meio da Lei de Incentivo ao Esporte Capixaba, e da Prefeitura Municipal da Serra, com apoio de Coroa. Realização do Instituto Neymara Carvalho e da IBC.

Mais informações:
Instagram: @wahinebbpro

No ES: Lúcia Marins – luciammarins@gmail.com – 27 99943-8246

Foto: Gabriel Lordello / ArcelorMittal