Painel Dois Pontos Retrospectando The Ocean Race : “Quando aqui chegamos não havia nada, tivemos que fazer vários ajustes no caderno de encargos e o resultado final aí está – uma dos melhores stopover de todo circuito” Knut Frostrad

0
174
Foto Adilson Pacheco RN

“Quando aqui chegamos não havia nada, tivemos que fazer vários ajustes no caderno de encargos e o resultado final aí este uma dos melhores stopover de todo circuito” Knut Frostrad

 

  • Painel 3

O Ano é 2011. A Regata The Ocean Race era chamada a regata dos barquinhos no meio de grupos de amigos.

 

É interessante a mudança na economia,  no paisagismo central e construção de novos equipamentos a partir da oficialização de Itajai como sede da única parada na América do Sul.

Projeto da Vila da Regata

No centro do superintendente do Porto de Itajai Antônio Ayres dos Santos - detalhando o projeto da Vila da Regata para dois vereadores - Foto Nelson Robledo.

 

 

 

Publicidade

 

]Podemos assim apontar –a primeira foi lançar a cidade na mídia mundial na apresentação no Castelo Montemar. E exatamente ali na solenidade do dia 1 de abril – era apresentado para Itajai o projeto da Vila da Regata. E com local já determinado, um vasto terreno de propriedade do Governo Federal ao lado do Centreventos, em pleno centro da cidade.

 

Foto Adilson Pacheco RN

O terreno uma área se 51.393, mil metros quadrados, foram aos poucos sendo transformada no epicentro do  esporte náutico mundial.

A área total envolvendo o Centreventos  tem um total: 55.758,40 m². Somente para a área para as equipes: 15.415,96 m² área enquanto que área para entretenimento: 22.808,97 m²,

Para criar a tal da Vila da Regata,  investimento estimado foi de R$ 7 milhões, sendo que R$ 4.5 milhões são Porto e R$ 2.5 da Prefeitura. A área onde as embarcações ficarão atracadas também passa por um processo de limpeza (-5,5 metros) para afundar leito do Rio Itajaí.

O cenário estava sendo preparado para receber os barcos VO65 –  Telefónica, Camper, Groupama, Abu Dhabi ,Puma. E com um detalhe a bordo do barco espanhol capitaneado pelo experiente velejador Iker Martinez, tina na tripulação de terra e de bordo dois brasileiros – Joca Signorini e Horácio Carabelli. E receber 400 mil pessoas e fazer um aquecimento na  economia local superior a R$ 80 milhões de reais, isto em apenas 25 dias da parada.

A cidade ´portuária estava ganhando uma nova economia do mar, além do porto, da pesca, da construção naval, da construção de iates – o esporte náutico.

O prefeito de Itajaí era o empresário Jandir Bellini, e afirmava que a Volvo Ocean Race  na cidade pode ser comparada a sede de uma Copa do Mundo.

 “A nossa responsabilidade aumenta com a Volvo Ocean Race. O impacto econômico e turístico será inevitável. Mas é preciso ainda mais interação e hospitalidade do povo de Itajaí”.

Exclusivas

Em entrevista exclusiva para este editor – o CEO da The Ocean Race Knut Frostrad – foi taxativo do que viu em Itajai em sua primeira descida na cidade catarinense.

“Quando aqui chegamos não havia nada, tivemos que fazer vários ajustes no caderno de encargos e o resultado final aí está  –  uma dos melhores stopover de todo circuito” Knut Frostrad

 

Pois é, a vila da regata da parada sul americana  foi aberta  no dia 4 de abril de 2012.

Foto Adilson Pacheco RN

Outras edições : –

Painel 1

Painel Dois Pontos Retrospectando The Ocean Race  – 1 de abril de 2010: Itajaí será a parada na América do Sul da Volvo Ocean Race 2011/2012. – Regata News

Painel 2

Painel Dois Pontos Retrospectando The Ocean Race : Paulo Bornhausen foi o grande articulador para Santa Catarina sediar Regata The Ocean Race – Regata News