The Ocean Race: Depois de um descanso, consertos – uma nova jornada de 15 dias marca a perna dois Cabo Verde a África do Sul

0
265
8 January 2023, IMOCA 11th Hour Racing Team, Simon Fisher skipper for the In-Port race in Alicante.

A corrida prevista entre Cabo Verde até África do Sul vai ser percorridas entre 14 a 15 dias para a Etapa 2, os principais barcos devem chegar à Cidade do Cabo em ou por volta de 8 ou 9 de fevereiro.

A perna 2 de Cabo Verde à Cidade do Cabo, África do Sul, é uma perna de oceano aberto de 4.600 milhas náuticas (nm) que deve ter as tripulações da IMOCA capazes de empurrar seus iates ousados e  dando  todo o seu potencial em algumas condições clássicas de navegação de vento desafiador.

25 January 2023, Teams parade for the start of Leg 2 in Cabo Verde

Será também a primeira vez que veremos como os IMOCAs – navegando em configuração totalmente tripulada – se comportarão nos ventos fortes esperados e nos grandes mares do Atlântico Sul durante a seção final da passagem.

COMO ACOMPANHAR O INÍCIO DA ETAPA 2

A rota para a Etapa 2 leva a frota para o sul de Cabo Verde, através do Equador perto da costa do Brasil, pela costa da América do Sul, evitando o sistema de alta pressão do meio do Atlântico de Santa Helena e, em seguida, para a Cidade do Cabo, na ponta sul da África do Sul.

Normalmente, os fortes e constantes ventos alísios de nordeste que caracterizam as ilhas de Cabo Verde significariam uma saída rápida para a frota de cinco barcos de 60 pés. No entanto, a recente chegada indesejada do que os meteorologistas classificam como um sistema de baixa pressão “cortado” ao norte do arquipélago africano para os ventos alísios quase inteiramente.

25 January 2023, IMOCA Biotherm Team dockout for the start of Leg 2 in Cabo Verde

Como explica o navegador britânico Simon Fisher, da 11th Hour Racing Team, o efeito colateral de sufocar os ventos alísios do hemisfério norte é uma expansão constante dos Doldrums – a faixa transitória de luz persistente e ventos instáveis que atravessam o Equador, bloqueando a passagem da frota para o sul.

“Se tivéssemos saído há alguns dias, acho que teria sido uma viagem bastante simples para o sul”, disse Fisher (que está correndo em sua sexta edição da The Ocean Race – mais do que qualquer outro velejador da frota IMOCA), falando no dia anterior ao início da etapa. “Mas vai ser muito mais complicado agora porque os Doldrums estão se expandindo.”

Fisher prevê que os ventos alísios do nordeste começarão a restabelecer não muito tempo depois de a frota da The Ocean Race deixar Mindelo com destino à Cidade do Cabo.

“Esses primeiros três ou quatro dias até o Doldrums serão muito importantes. Trata-se de fugir de Cabo Verde sem problemas e, de alguma forma, pegar o início da reconstrução eficiente do vento alísio. Depois disso, trata-se de encontrar o lugar certo no Doldrums.”

 

 

Traçar a rota mais rápida através do Equador significa escolher a seção mais estreita do Doldrums. Normalmente, nesta época do ano, o ponto de passagem preferido é para o oeste, no lado brasileiro do Atlântico.

Desta vez, no entanto, partir de Cabo Verde significa que os iates estão começando bem a perna para o leste – então encontrar um caminho para o oeste será mais desafiador.

“Em corridas anteriores nesta rota através do equador, você sempre aproveitava a primeira oportunidade para se posicionar a oeste”, explica Fisher.

“Se acabasse por passar perto de Cabo Verde, ficaria bastante nervoso sobre como ia voltar para o oeste. Agora estamos aqui começando no leste, mas a segurança ainda está no oeste.”

Seja qual for a rota que as equipes consigam encontrar para escolher o caminho através do que se espera ser uma travessia de Doldrums carregada, uma vez no hemisfério sul, eles estarão em busca de ventos alísios que ajudarão a levá-los rapidamente ao longo da costa sul-americana antes de fazer a curva à esquerda em direção à Cidade do Cabo.

No entanto, a rota direta para o final é bloqueada por um fenômeno persistente de vento leve conhecido como o sistema de alta pressão de Santa Helena. Essa massa amorfa de clima quente e ventos leves muda de forma à vontade e as tripulações precisarão ser cautelosas com ela enquanto se espremem entre sua borda ocidental e a massa terrestre sul-americana.

Os últimos estágios da etapa poderiam produzir algumas das velejações mais rápidas de toda a rega, já que as tripulações aproveitam ao máximo algumas condições rápidas de navegação a favor do vento no caminho para a Cidade do Cabo.

 

Edições anteriores viram as tripulações cavarem profundamente no Atlântico Sul em busca de um passeio nos sistemas de tempestades em movimento rápido que regularmente se lançam para o leste em direção à Cidade do Cabo.

“Uma vez que você passa pelo Rio de Janeiro e pela frente fria semipermanente da América do Sul, você começa a procurar algo para ajudá-lo a virar à esquerda e pegar uma carona em direção à Cidade do Cabo”, explica Fisher.

Desta vez, no entanto, ele acredita que os marinheiros nos IMOCAs frustrantes não precisarão caçar tanto para condições de brisa grande para alcançar o máximo desempenho.

25 January 2023, Teams parade for the start of Leg 2 in Cabo Verde

 

“Esses barcos vão muito rápido em 20 a 25 nós de vento e isso é provavelmente o que seria ideal – mais vento e ele chuta um estado marinho desagradável que pode realmente nos retardar por causa das folhas.”

No final do que certamente será uma perna dura e dura, a aproximação final da linha de chegada ao largo de Victoria e Alfred Waterfront, na Cidade do Cabo, muitas vezes pode ser desafiadora e as equipes cansadas podem precisar ficar em alerta total para serem acalmadas enquanto escolhem seu caminho cuidadosamente além da enorme sombra de vento que a icônica Table Mountain da cidade às vezes pode projetar.

 

Cobertura de início ao vivo agora disponível no YouTube.com/Eurosport

A etapa 2 da The Ocean Race está programada para começar às 18:10 UTC (17:10 hora local em Cabo Verde) na quarta-feira à tarde.

Na maior parte da Europa e em muitas partes da Ásia, pode assistir ao arranque em direto no Eurosport ou no Eurosport 1 a partir das 17:30 UTC e em direto ou a pedido no Eurosport Player ou no Discovery+.

Hoje, os nossos amigos do Eurosport anunciaram que vão abrir a cobertura em todo o mundo no seu canal do YouTube.

Esse fluxo será incorporado na página inicial do www.theoceanrace.com.

A cobertura de transmissão ao vivo começa às 18:00 UTC.

Na Europa, a cobertura em direto do Eurosport 1, www.eurosport.com e da App Eurosport começa com um pré-espetáculo às 17:30 UTC / 18:30 CET.