Cuba garante a última vaga das Américas na SSL Gold Cup Finals

0
38

A seleção de Cuba conseguiu neste sábado (2) a última vaga das Américas na SSL Gold Finals, a Copa do Mundo da Vela. Nas eliminatórias latino-americana para o evento do Bahrein em novembro, os velejadores caribenhos ficaram na segunda colocação, perdendo o título no desempate para Omã.

Foram disputadas seis regatas no Lago Neuchâtel, na Suíça, desde a quinta-feira (30) e os campeões somaram 22 pontos. A Guatemala que liderou boa parte das regatas e o México ficaram de fora. Com a vaga de Cuba, estão definidos os representantes do continente no Bahrein 2022, que são Brasil, Argentina, Chile, Peru, EUA e Canadá. 

O SSL Team Cuba foi comandado pelo tricampeão pan-americano de Snipe Nelido Manso Lopez. A equipe chegou um mês antes à Suíça para se adaptar ao veleiro e as condições do lado em Grandson. O trabalho surtiu efeito e a classificação veio para os Piratas do Caribe e logicamente para os Leões do Mar de Omã. 

”Estamos muito felizes porque tivemos que trabalhar muito para isso. As pernas de downwind em ambas as regatas foram complicadas para nós. Ainda precisamos trabalhar muito nisso. Dedicamos esta qualificação a todas as pessoas que nos seguiram no nosso país e em todo o mundo, especialmente às nossas famílias que acordavam muito cedo todas as manhãs para nos ver”, disse Pedro Vega do SSL Team Cuba.

Agora restam apenas mais quatro vagas para o Mundial do Bahrein 2022. A rodada final da SSL Gold Cup 2022 Qualifying Series acontece no Lago Neuchatel de 14 a 17 de julho. No grupo 7 estarão China, Índia, Malásia e África do Sul. Já no Grupo 8 correm Coreia do Sul, Singapura, Tailândia e Ucrânia.

A SSL Gold Cup 2022 começou no dia 19 de maio com as eliminatórias no mesmo Lago Neuchatel. Todas as nações classificadas do Top 25 ao 56 no Ranking da SSL Nations (com base nos números de janeiro de 2022) se enfrentarão em oito grupos de quatro equipes cada. Serão cinco etapas, ou rodadas, até 17 de julho. A Série Final de 28 de outubro a 20 de novembro de 2022, no Bahrein. 

Assim como no futebol, cada time contará com 11 atletas. A bordo do SSL Team Brazil estarão as bicampeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze, ao lado de Henrique Haddad, Gabriel Borges, Henry Boening, Juninho de Jesus, Joca Signorini, Alfredo Rovere e Mário Trindade.

Os velejadores serão liderados pelo multicampeão Robert Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas e capitão da equipe.  O CEO do SSL Team Brazil é Bruno Prada, que tem duas medalhas olímpicas ao lado de Scheidt na classe Star: uma prata em Pequim 2008 e um bronze em Londres 2012.

O Brasil voltará a treinar na Suíça em agosto sob o comando de Robert Scheidt e com equipe completa. O barco disputou um dos eventos-teste e ficou em segundo lugar, só perdendo a regata final para a Croácia no ano passado.

Como a Copa do Mundo da Fifa, a SSL GOLD CUP oferece um desafio singular com oportunidades iguais para todas as 40 equipes, que correm exatamente no mesmo barco, o SSL 47, um veleiro de alto- desempenho de 14 metros, entregue pela organização.

Duas nações se qualificam para as oitavas e depois às quartas-de-final. Se o Brasil passar em primeiro entra no grupo de Itália, Espanha e mais uma equipe a definir nas eliminatórias. Se terminar em segundo, a tripulação verde e amarela encara Nova Zelândia e Austrália, além do primeiro da chave que pode ser França ou Suécia, chave considerada a ”da morte” no campeonato. 

Os argentinos estão também nas oitavas, na mesma chave dos Estados Unidos. Se passarem em primeiro, pegam Grã-Bretanha e Dinamarca na fase seguinte. Avançando em segundo, entram no mesmo grupo de Alemanha e Holanda. 

Além do chamado Brazilian Storm, apelido dado à equipe brasileira, a SSL Gold Cup terá os melhores velejadores do mundo como Ian Williams e Sir Ben Ainslie (SSL Team GBR), Tom Slingsby (SSL Team Austrália), Anne-Marie Rindom (Dinamarca), Xavier Rohart (SSL Team França), Taylor Canfield (SSL Team EUA) e outros mais.

Diferentemente do que ocorre nos Jogos Olímpicos, em que a medal race (regata da medalha) premia o barco mais regular levando em conta os resultados das regatas anteriores, vencerá a SSL Gold Cup a equipe que correr mais rápido na hora da decisão. Os países serão eliminados fase a fase até a Grande Final, com apenas quatro seleções. O troféu será organizado a cada quatro anos pela Sailing Athletes Foundation (SAF).

Confira os países em disputa no Qualificatório da SSL Gold Cup em: https://goldcup.starsailors.com/schedule/

Sobre a SSL Gold Cup

A SSL Gold Cup reunirá 56 nações entre os membros da World Sailing para coroar a melhor nação da vela a cada dois anos. Em um esporte mecânico em que a corrida pela tecnologia pode atrapalhar a corrida pela glória, a SSL busca uma competição igualitária, em que o talento dos velejadores está na vanguarda, e os campeões se tornam heróis inspiradores de novas gerações. A SSL é um evento especial da World Sailing desde 2017.

Como na Copa do Mundo de futebol, as primeiras rodadas de qualificação selecionam os times que avançam para as fases eliminatórias. Todas as regatas são disputadas com flotilhas de quatro barcos em cada, até as quartas de final. As equipes serão colocadas em chaves, com os oito primeiros colocados garantidos nas quartas-de-final.

Duas flotilhas de quatro competem nas quartas-de-final para selecionar as quatro equipes que participam da única regata da Grande Final. O vencedor da Grande Final será coroado como a Melhor Nação da Vela. A SSL criou um formato inovador. E os fogos de artifício ao final do evento prometem dar um desfecho dramático para esta incrível competição global.

Mais informações em https://goldcup.starsailors.com/