The Ocean Race visa o mesmo número de velejadore(a)s do sexo masculino e feminino no evento até 2030

0
313
Leg Zero, Lisbon. Two boat testing: Team AkzoNobel and Vestas 11th Hour Racing. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 12 September, 2017

A meta ambiciosa faz parte da Horizon, uma nova colaboração com o Projeto Magenta, World Sailing Trust e PA Consulting, dedicada a aumentar o número de mulheres na vela profissional.

A Ocean Race, o teste mais difícil do mundo de uma equipe no esporte, tem como objetivo uma divisão de 50:50 mulheres e homens competindo na frota de vela ao redor do mundo nas próximas três edições da Corrida, baseando-se em sua posição de liderança histórica que já viu 136 mulheres participarem do evento desde 1973.

Dee Caffari, duas vezes competidora da The Ocean Race e presidente do World Sailing Trust
© Beau Outteridge

A mudança visa um número igual de homens e mulheres competindo em todo o evento, seja por meio de equipes mistas ou equipes femininas. Faz parte de uma colaboração incomparável na vela, com as principais organizações de sustentabilidade, diversidade e vela, The Ocean Race, World Sailing Trust, The Magenta Project e PA Consulting, que se baseia em iniciativas existentes e introduz novos caminhos para abrir a navegação para mulheres e jovens.

A Horizon, que engloba funções em todo o esporte – incluindo marinheiros, construtores de barcos, treinadores, árbitros e oficiais de corrida – está lançando após análise aprofundada do estado de igualdade de gênero na navegação profissional pela PA Consulting. A consultoria, especializada em inovação e transformação, entrevistou os principais stakeholders do setor e encontrou grandes barreiras, viés e questões sistêmicas que limitam a participação feminina no esporte.

A entrevistada Dee Caffari, a primeira mulher a navegar sozinha e sem parar ao redor do mundo em ambas as direções, duas vezes competidora da The Ocean Race e presidente do World Sailing Trust, disse: “Todos nós naturalmente confiamos nas pessoas com quem estamos acostumados a navegar, por isso é difícil entrar em uma equipe. O vento e as ondas não se importam quem você é, homem ou mulher, você é um marinheiro.

Os insights ecoam a Revisão Estratégica sobre Mulheres na Vela 2019 do World Sailing Trust, que revelou que 80% das mulheres e 56% dos homens acham que a igualdade de gênero é um problema na navegação, com 59% das mulheres, em comparação com 14% dos homens, dizendo ter experimentado discriminação de gênero.

Trabalhando juntos, The Ocean Race, The Magenta Project, PA Consulting e World Sailing Trust visam mudar a percepção e melhorar as rotas para a indústria para as mulheres. A Ocean Race criará um roteiro de ação, que contará com iniciativas novas e existentes que serão apoiadas pelos colaboradores. As ações incluirão recomendações da World Sailing Trust Strategic Review, tais como:

A Ocean Race também proporcionará oportunidades de sombreamento em toda a gestão de corridas, com voluntários de clubes locais em todas as cidades-sede em que a corrida para e, com o Projeto Magenta, desenvolverá um programa de mentoria de mulheres e jovens específico para a The Ocean Race. A PA Consulting criará uma ferramenta de avaliação da igualdade para ajudar a indústria de navegação a medir onde eles estão agora e onde eles podem melhorar, juntamente com uma série de Mesas Redondas que acompanharão o progresso em toda a indústria.

 

Todas as partes interessadas também assinarão a Carta da Igualdade das Mulheres, Esporte para Geração da ONU, uma poderosa coalizão multiesportiva para promover a igualdade de gênero através do esporte.

Anne-Cécile Turner, diretora de sustentabilidade da The Ocean Race, disse: “As competidoras femininas na Corrida Oceânica incluem medalhistas de ouro olímpicos e quebras de recordes mundiais. São modelos e embaixadores poderosos, mas para muitos, sua jornada até o topo tem sido repleta de desafios, simplesmente porque são mulheres. Não só as mulheres estão perdendo oportunidades, como também está perdendo as habilidades, força e talento que trazem para a mesa. A vela pode garantir sua reputação, e seu futuro, unindo-se como uma indústria. Precisamos construir pontes, não trabalhar em silos.”

A Ocean Race é líder do setor no apoio às mulheres no esporte, com mais mulheres competindo no evento do que em qualquer outra competição de vela fora das Olimpíadas. A Corrida foi o único outro grande evento esportivo internacional onde homens e mulheres competem na mesma equipe em igualdade de condições, com 136 mulheres competindo na corrida desde 1973, incluindo 12 na primeira edição. Na edição 2017-18 da corrida foram introduzidas novas regras que deram às equipes um grande incentivo para incluir mulheres e homens, uma política que continuará na corrida 2022-23 e verá as mulheres participarem com um papel significativo em cada equipe.

Dee Caffari, presidente da World Sailing Trust, disse: “A pesquisa que o World Sailing Trust realizou em 2019, mostrou alguns números bastante acentuados sobre o estado da igualdade de gênero na vela. A pesquisa da PA Consulting confirmou desde então que, embora haja algum progresso, o esporte precisa trabalhar muito mais e de forma colaborativa, se quisermos trazer mudanças. Será preciso eventos importantes em nosso esporte, como a The Ocean Race, para continuar a virar a marca da igualdade. A iniciativa Horizon é exatamente como precisamos trabalhar, para que, como esporte, possamos colaborar melhor e abordar essas questões-chave, e começar a nivelar o campo de jogo. Com o objetivo de aumentar as oportunidades e os níveis de participação das atletas femininas.”

Jonquil Hackenberg, presidente do Projeto Magenta,Home – The Magenta Project uma instituição de caridade dedicada à paridade de gênero e diversidade na vela competitiva, e chefe de sustentabilidade da PA Consulting disse: “A vela é um dos esportes menos diversos e isso precisa mudar. Essa colaboração é um passo vital para isso e tem o potencial de alterar a face da vela para sempre e torná-la um esporte que outros possam recorrer e aprender. O poder dessa colaboração é que ela traz forças à frente, onde os pontos fortes não precisam ser físicos. Com um conjunto tangível de recomendações e uma colaboração pela qual nós do Projeto Magenta podemos trazer caminhos acionáveis para aspirantes a corredores oceânicos, as iniciativas se concentram em todo o ecossistema do esporte, que é a única maneira de incorporar verdadeiramente mudanças significativas e sustentáveis.”

A IMOCA, uma das duas classes de iate que correrão na próxima edição da The Ocean Race ao lado da classe VO65, expressou apoio à Horizon. O presidente da IMOCA, Antoine Mermod, disse: “Enquanto vemos mais mulheres na vela, ainda há uma maneira de fazer o esporte verdadeiramente igual para mulheres e homens. Gostaríamos particularmente de receber mais mulheres se tornando capitães e assumindo outros papéis principais na indústria, por isso estamos encantados em ver uma colaboração que se concentre em tornar o esporte mais acessível às mulheres. A Ocean Race foi pioneira neste espaço, estamos ansiosos para apoiar sua ambição de tornar o evento igual.”

Ajudar a criar caminhos para as mulheres na vela é o primeiro passo no programa de diversidade e inclusão da Ocean Race, que visa tornar o evento, e a indústria, mais acessíveis a todos. Diversidade e inclusão fazem parte do programa de sustentabilidade “Racing with Purpose” da Ocean Race, que foi criado com a 11th Hour Racing, um parceiro premier da Ocean Race, e se dedica a melhorar a saúde do oceano