Volvo Ocean Race -Auckland – Entrevista com Xabi: Uma avaliação da LEG 6

0
178

 

Pedro Martinez/Volvo Ocean Race
Pedro Martinez/Volvo Ocean Race

 

Mais de 6200 milhas e 20 dias de navegação em todo o Pacífico entre Hong Kong e Auckland, a perna seis foi uma das mais difíceis até agora. Condições particularmente instáveis e uma intensa corrida entre MAPFRE e Dongfeng significaram que Xabi Fernandez e sua equipe foram mantidos em constante desafios desde o início e durante toda a perna.

Este novo podium para o VO65 espanhol garante a liderança do painel de avaliação geral da Volvo Ocean Race até agora. O capitão da MAPFRE Xabi Fernández avalia o percurso.

Entrevista com Xabi: Uma avaliação da LEG 6

Como você vê o final da sexta etapa com barcos chegando em curto espaço de tempo em Auckland?

A verdade é que não esperávamos uma aproximação tão grande no final. Sabíamos que haveria pouco vento na costa, mas pensávamos que a nuvem iria quebrar e aqueles na frente travariam a pressão mais cedo. Dongfeng e nós estávamos lutando para terminar uma na frente um do outro, mas a verdade é que chegamos perto do AkzoNobel, umas 6 milhas. No final, passamos o TTOP e não perdemos a chance.

MAPFRE in the Volvo Ocean Race

 

 

Vendo a posição que tiveram por alguns dias antes do fim, você pensou em pódio?

Não. Talvez só duas semanas atrás que sim! Porque nós tínhamos os Doldrums pela frente e ficamos bastante motivados em reduzir a vantagem, mas 3 dias antes da chegada, achamos que nosso objetivo era acabar com na frente do Dongfeng e não no pódio.

 

Em mais de uma ocasião, MAPFRE e Dongfeng disputaram uma prova próximos. Vocês fizeram uma regata particular? Por que?

É claro que tentamos fazer nossa própria regata, mas você precisa ficar alerta, neste caso com respeito ao Dongfeng. Eu acho que tem muita coisa pela frente e nós sempre estamos juntos o tempo todo. E nessa se a gente aliviasse perderíamos terreno. Nessa perna em particular fizemos o certo, mesmo que as vezes pareça errado ir para o leste ou o nordeste na primeira transição da calmaria equatorial. Foi muito estressante, pois acho que passamos um pelo outro umas 15 vezes. Muitas nuvens, rajadas … uma navegação difícil.

 

Esse estresse por 20 dias, mas de 480 horas….Como lidar com isso? E por que o erro mínimo faz uma grande diferença?

No início foi muito, muito estressante. Então percebemos que não tinha nada a ver com a velocidade do barco, que é semelhante ao outro, o que é bom. É muito estressante, mas você se acostuma com a rotina de entrar no convés para ver se eles ainda estão lá. Nós nos separamos algumas vezes para passar algumas nuvens e, para ser sincero, foi um alívio não vê-los no radar e tentar navegar um pouco mais sozinhos, a nossa regata. Mas algumas horas depois estávamos juntos novamente … Falamos no rádio uma par de vezes. Foi até engraçado!

Charles Caudrelier pediu um presente para o aniversário dele ?

Sim, ele me escreveu um e-mail. Eu acho que nós lhe demos o que ele pediu e então ele nos devolveu (risos).

O fato de que o Vestas não estar na regata passada, isso monopolizou a briga?

Ainda há muito pela frente, muito. Metade da distância! Mas muito mais em pontos. Ganhar a próxima etapa é muito, muito importante porque envolve muitos pontos, mas nesta fase, era perigoso arriscar e precisávamos manter um olho no Dongfeng e tentar estar à frente. Como o Vestas não estava, não há dúvida de que isso facilitou a vida. Eles também estavam próximos na pontuação geral.

Foi um resultado perfeito pro MAPFRE?

Sim, perfeito pra nós vários motivos. O primeiro porque não pensávamos em pódio. Os dois barcos que terminaram na frente ainda estão atrás no geral, mesmo se aproximando rápido. E terceiro, o Dongfeng terminou atrás de nós!

 


Fonte -Com apoio da jornalista Helena Paz/Mapfre /Travelling Press Officer /MAPFRE in the Volvo Ocean Race