Transat Jacques Vabre 2015 terá 42 barcos rumo ao Brasil

0
136

Regata entre França e o Brasil terá quase 10 mil quilômetros.
A vela nacional será representada pela dupla Eduardo Penido (primeiro campeão campeão olímpico da vela brasileira) e Renato Araújo. A dupla estará a bordo do barco Zetra, veleiro da Class40.
Edição – Adilson Pacheco
Fonte – TJV
Post – 15/09-19:23Jacques Vabres 2 (1) (1) (1) (1) (1) (1)

Transat Jacques Vabre A 12ª edição da Transat Jacques Vabre começa em outubro e a organização confirmou, nesta terça-feira (15), as 42 duplas que participam do desafio pelo atlântico entre Le Havre, na França, e Itajaí, no Brasil.
A apresentação oficial das equipes e das classes em disputa foi cinema Arlequin, no 6º distrito de Paris. A vela nacional será representada pela dupla Eduardo Penido (primeiro campeão campeão olímpico da vela brasileira) e Renato Araújo. A dupla estará a bordo do barco Zetra, veleiro da Class40.

O encontro na capital francesa representou a contagem regressiva para a grande largada, em Le Havre, no dia 25 de outubro, um domingo, às 13h30. A partir de agora, restam apenas 40 dias para as tripulações se prepararem antes de embarcar rumo a Itajaí, no Brasil. O dia foi de festa no cinema parisiense de Arlequin, criado em 1962, por Jacques Tati, figura conhecida na França. A conferência de imprensa da Transat Jacques Vabre 2015 reuniu skippers, parceiros e toda a imprensa para conhecerem a nova edição da regata, que promete ser extremamente humana, mas ao mesmo tempo muito técnica, e cheia de reviravoltas ao longo do percurso.

Em seus 22 anos de história, esta edição será ainda mais intensa que as anteriores: é a 12ª edição, com 42 duplas, duas classes de multicascos (Ultime e Multi50), duas classes de monocascos (Imoca e Classe40), entre duas cidade (Le Havre e Itajaí), que unem dois países (França e Brasil) e os dois tradicionais parceiros (Le Havre e Jacques Vabre), responsáveis por dar continuidade à competição ao longo dos anos. Além, é claro, de dois velejadores para cada barco.

Uma edição de peso em 2015
Os ingredientes da regata davam um bom filme e o lançamento da edição não poderia ser em lugar melhor. Um cenário incrível: a água, o Atlântico. A luz natural: o sol e a lua. Sons que mexem com a gente: o vento, as ondas batendo contra o casco e o atrito dos cabos. E, especialmente, pessoas vindas de todos os lugares. As 42 duplas da Transat Jacques Vabre 2015 formam um grupo de velejadores de peso. Entre eles, estão estrelas como Michel Desjoyeaux, François Gabart, Kito de Pavant, Marc Guillemot, Armel Le Cléac’h, Jean-Pierre Dick, Vincent Riou, Yann Elies, Sébastien Josse, Alex Thomson e Yvan Bourgnon. Além de jovens como Morgan Lagravière, Paul Meilhat, Jack Bouttel, Charlie Dalin e Alan Roura. Mas os nomes não param por aí. A lista é longa! (clique aqui para baixar a lista completa)

Principais números desta edição:

– 42 barcos;
– Distância a ser percorrida: 5.400 milhas;
– 4 classes de barcos, sendo 14 da Classe40, 4 da Multi50, 20 da Imoca e 4 da Ultime;
– 592.000 visitantes em 2013 (entre Le Havre e Itajaí);
– Data limite para os barcos se apresentarem em Le Havre: 16 de outubro, às 12h.

Declarações

Edouard Philippe, Prefeito de Le Havre:
“Le Havre acolhe essa regata extraordinária desde 1993. Um desafio esportivo feito em duplas a cada dois anos que nos proporciona esse espetáculo maravilhoso. Nossa cidade vive no ritmo de preparação dos skippers. É uma bonita festa que ninguém deve perder. Aproveite essa ocasião para convidar os seus amigos, sua família para conhecerem uma cidade que vive para o mar, um lugar que carrega uma história forte, mas que tem belos projetos para o meio náutico.”

Philippe Schaillée, diretor geral da JDE Trading France:
“O café cria momentos de partilha e de convívio únicos, estimula nossa mente e nossa curiosidade. Hoje, com a marca Jacques Vabre, reúnem-se 42 duplas de velejadores excepcionais que irão conectar Le Havre, o primeiro porto cafeeiro da França, a Itajaí, grande cidade portuária do Brasil, ao refazer a rota do café. Entre dois portos, há uma aventura humana e esportiva excepcional, conduzida por comandantes carismáticos que compartilham os mesmos valores: respeito, paixão, solidariedade e superação. Eu desejo a todos os velejadores uma excelente travessia e um reencontro no Brasil, em Itajaí!”

Célio Bernardino, secretário-executivo da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (AMFRI):
“Atualmente, Itajaí está voltada para o mar, seja para acolher quem chega ou para se projetar para o futuro. Nesse contexto, receber a regata pela segunda vez é uma espécie de recompensa pelo trabalho feito em 2013 e uma motivação para receber os visitantes de uma maneira ainda mais próxima a partir de novembro. A cidade se transforma durante os dias em que recebe a Transat Jacques Vabre. As pessoas são contagiadas pela atmosfera da festa. Apesar de ser um município jovem no âmbito de eventos náuticos, as pessoas abraçaram a regata. Nós acreditamos que é essa acolhida calorosa que desperta, em quem vem de fora, a vontade de voltar e abrir novas possibilidades econômicas para o futuro.”

Paulo C. de Oliveira Campos, embaixador do Brasil:
“Eu estou muito feliz de participar desse um evento, uma disputa que envolve 84 skippers e 42 barcos, dois dos quais são brasileiros. E que desafio é essa travessia, quase 10 mil quilômetros pelo Atlântico! Além da questão esportiva, eu estou impressionado com a organização da regata e das duas cidades envolvidas. O Brasil é bastante conhecido pelo seu futebol, mas o Brasil não é só futebol. É a segunda vez que a regata vai para Itajaí depois do grande sucesso que foi em 2013. A região se mobiliza enormemente e tem muito entusiasmo. Enfim, a Transat Jacques Vabre oferece duas oportunidades para conhecer o Brasil: a semana cultural brasileira, em Le Havre, e a chegada em Itajaí!”

Gildas Mahé, co-skipper do Team Concise (Classe40):
“Serão várias vivências pela ‘primeira vez’ para mim. Primeira Transat Jacques Vabre, primeira regata na Classe40, primeira passagem pela Linha do Equador… Na teoria, parece que são longas 5.400 milhas, mas na verdade funciona como na regata do Figaro, que é bem menos longa! O bom da Classe 40 é que dá para permanecer administrando bem o barco e isso tudo é uma grande descoberta para mim, desde a regata, o barco, a equipe, o percurso…”

Lalou Roucayrol, skipper do Arkema (Multi50):
“Acabamos de tirar o barco da água para fazer uma revisão antes da partida e estaremos prontos em Le Havre, pois já velejei muito com o César [Dohy, seu parceiro de prova]. Estou feliz por competir ao lado dele, temos um vínculo de trabalho e estamos em uma sintonia muito boa. Eu gosto dessa Transat Jacques Vabre, pois é a 9ª edição que eu participo. É uma história que já dura desde 1995 para mim! E eu gosto dessa ideia de disputa pelo atlântico, cada vez é uma experiência incrível”.

Philippe Legros, co-skipper do Maître CoQ (Imoca):
“Já naveguei muito com Jérémie [Beyou, seu parceiro de prova] particularmente, em relação a outros competidores. Nós nos entendemos bem e gostamos muito de velejar. Essa transat vai ser longa, muito longa, desde a saída pelo Canal da Mancha e a travessia pelo Golfo da Biscaia, área que pode ser puxada e bem complexa. Vamos ter que dar o nosso máximo desde o início! Mas a recompensa será chegar ao clima quente, já que a primeira semana vai ser puxada!”

Roland Jourdain, co-skipper do Prince de Bretagne (Ultime):
“Até aqui está tudo bem: estou me preparando com Lionel [Lemonchois, seu parceiro de prova] e é uma alegria velejar ao lado dele! Ele conhece o barco como a palma da mão e eu tento aplicar tudo o que ele me diz… Essa será a minha sétima participação, tive uma vitória com um monocasco e uma com um multicasco, além de um monte de segundos lugares. Dessa vez, vamos ser os ‘pequenos’ entre os grandes, vamos fazer como no basquete: os baixinhos passam pelo meio das penas dos grandes! Eu não conheço Itajaí, mas o percurso é bastante semelhante à primeira etapa da Vendée Globe… Vai ser puxado do início ao fim!”