Quase perto do pódio: “MAPFRE” chega em quarto em Newport

0
267

mAPFRE MARINA (1)Os espanhóis lutaram até o final para passar o “Brunel” e pegar o pódio. Depois de 5.800 milhas náuticas navegadas – 10.741,6 km, apenas 37 minutos separaram do terceiro lugar
Edição – Adilson Pacheco
Especial: Helena Paz/MAPFRE
Post:07/05-20:55

Depois de 17 dias, 10 horas, 34 minutos e 25 segundos de prova, o “MAPFRE” finalizou na madrugada desta quinta-feira (6/5) a sexta etapa da Volvo Ocean Race. Depois de uma perna bastante disputada – foi assim desde a largada no Brasil – o barco liderado pelo campeão olímpico Xabi Fernández cruzou a linha de chegada em Newport (Estados Unidos) apenas 37 minutos e 45 segundos depois do holandês “Brunel”. Mais uma vez a igualdade dos monotipos foi evidente, com os quatro primeiros classificados cruzando a linha com margem de uma hora e meia depois de 5.800 milhas náuticas de navegação.
Com o quarto lugar nesta etapa, os espanhóis estão três pontos do terceiro lugar no geral: “Agora vamos ter uma disputa com ‘Brunel’ [terceiro], como já sabíamos, e com o “Alvimedica” [quarto] também. Foi bom ter chegado na frente deles visando o final do campeonato em Gotemburgo” disse Xabi Fernández.

Um final apertado mais uma vez

A Volvo Ocean Race está marcada pelo equilíbrio. Com barcos iguais, a pouca diferença em todas as chegadas de perna é evidente. Os times terminam próximos uns dos outros e nesta sexta etapa não foi diferente.
Faltando 100 milhas para a chegada, a tensão era notória com “Dongfeng” e “Abu Dhabi” revezando na frente. Os espanhóis conseguiam abrir margem para o “Alvimedica” e se aproximaram do “Brunel”. A menos de 60 milhas do fim, o barco espanhol reduziu pela metade a diferença.
“Dongfeng” e “Abu Dhabi” seguiram disputando, mas a vitória foi dos chineses, com menos de três minutos e meio de vantagem para os árabes. A batalha entre holandeses e espanhóis continuava até a aproximação, mas o “MAPFRE” acabou em quarto.
“Foi uma etapa de quase 18 dias e teve de tudo. Começamos muito bem na primeira semana. Na metade, a gente teve uma perda de milhas por trocas de vela. Na última semana voltamos a navegar bem, mas a regata é equilibrada, prova disso foi a chegada quase igual das quatro equipes. Nosso barco ficou perto, mas foi impossível passar”, contou Xabi Fernández já em terra.