Próxima parada Newport: A sexta etapa da Volvo Ocean Race começou

0
125

mapfre

“Foi fantástico o carinho do público. Todas as pessoas que vieram, amigos, família e imprensa foram fundamentais para a realização do evento. Foi uma bela e inesquecível parada, uma grande festa. É triste dizer adeus a Itajaí, mas a regata continua”, disse “Bochecha”.
A sexta etapa da Volvo Ocean Race começou neste domingo (19). Milhares de pessoas assistiram a despedida em Itajaí. Mas os barcos sofreram para sair por causa dos ventos fracos

Edição: Adilson Pacheco
Texto: Helena Paz/MAPFRE
Post:19/04-2013

Antes da largada, o comandante Xabi Fernández disse que a saída em Itajaí (Brasil) seria bem interessante, mesmo com condições de vento fraca. A sexta etapa, que terá 5.010 milhas náuticas, largou neste domingo com apenas quatro nós (7,4 km/h) de vento.
O público brasileiro lotou a Vila da Regata desde cedo para se despedir da flotilha da Volvo Ocean Race. Igual que em 2012, na última vez que a regata esteve aqui, o calor do público chamou atenção. O “MAPFRE” e o local André Fonseca eram os mais festejados.
“Foi fantástico o carinho do público. Todas as pessoas que vieram, amigos, família e imprensa foram fundamentais para a realização do evento. Foi uma bela e inesquecível parada, uma grande festa. É triste dizer adeus a Itajaí, mas a regata continua”, disse “Bochecha”.

3, 2, 1… Partiu!
Pontualmente, às 14h, começou a sexta das nove etapas que serão disputadas nesta edição. Antes de sair ao mar aberto, a flotilha fez um percurso entre boias que foi encurtado, pois os barcos literalmente boiavam com vento nulo.
“SCA” e “Alvimedica” se destacaram, mas a vantagem inicial foi das meninas. O “MAPFRE” se recuperou antes de montar a primeira boia e pulou pra segundo. Só ficou o “Alvimedica” a ser alcançado.

Primeiros dias lentos
Parece que as primeiras 48 horas seguirão com pouco vento.
“Neste momento, o vento é um pouco fraco e em toda a costa do Brasil será mais ou menos assim. Pegaremos contra-vento também. Queremos um bom resultado, terminando no pódio. Se isso ocorrer, vamos repetir as duas etapas anteriores. Faltam quatro pernas e muitos pontos em disputa”, declarou André Fonseca.
“Embora os mares do Sul tenham ficado lá atrás, será uma etapa longa com seus próprios desafios”, disse “Neti” Cuervas-Mon. As equipes vão subir toda a costa do Brasil, pegar o marasmo dos Doldrums e chegar a Newport, onde irão encontrar uma tempestade muito grande e muito frio … “Em uma etapa de 5.000 milhas tudo pode acontecer”.