Xabi: “Foi uma penalização desmedida por um erro puramente administrativo”

0
133

mapfretUm júri internacional de vela julgou várias ocorrências em Itajaí. Entre elas uma da equipe espanhola, que foi penalizada com dois pontos na classificação geral por não informar duas reparações realizadas durante a etapa passada. “O júri Internacional sentenciou que nossa equipe não teve nenhuma vantagem de rendimento nem de velocidade pela reparações a bordo. A gente perdeu dois pontos simplesmente por um erro administrativo e de burocracia sobre a maneira de comunicar como iríamos fazer os reparos. Não estamos de acordo e acreditamos ser uma medida totalmente desproporcional”

Edição: Adilson Pacheco
Fonte: Helena Paz/MAPFRE
Post:18/04-09:35

A Comissão de Regata puniu o barco espanhol por não pedir permissão para reparar uma retranca e um problema proa do barco durante a quinta etapa da Volvo Ocean Race, a mais difícil da Volta ao Mundo.

A regra da classe Volvo Ocean 65 diz que se uma equipe considera fazer um reparo deve informar imediatamente à autoridade da Classe Volvo Ocean 65 (VCA). O medidor Jack Lloyd –diretor da regata–, apresentou um protesto ao entender que a equipe espanhola não informou a tempo sobre o reparo, bem como da maneira exigida. Não obstante, o júri internacional reconheceu em seu documento que as reparações realizadas pelo “MAPFRE” não foram feitas com a intenção de melhorar o rendimento do barco. Nem mesmo para aumentar a velocidade.
O comandante Xabi Fernández explicou, na coletiva de imprensa de Itajaí, que o dia foi duro para eles. “Em primeiro lugar, trabalhamos duro na etapa anterior, como sempre fazemos. Tivemos boas condições nos mares do Sul, mas com ventos intensos e com muita disputa por posição. Fizemos tudo por causa da segurança do barco e da tripulação. Quando temos problemas a bordo temos que enfrentar e buscar uma solução o quanto antes”.
“Nós, como velejadores de oceano, temos experiência e obrigação de resolver problemas, evitando riscos desnecessários. Esse é o nosso valor como atleta. Aprendemos com a nossa experiência e com as regatas passadas”, disse Xabi.
“Creio que atuamos corretamente. Demos uma solução a dois problemas que tivemos a bordo. Nós reduzimos os riscos e voltaríamos a fazer outras mil vezes. Insisto que somos um grupo experiente e bem preparado. Também poderíamos fazer uma parada de emergência no Ushuaia (Argentina), já que nas últimas três vezes que passamos por lá tivemos de fazer reparos. Nossa equipe de terra estava em stand-by por lá com todos os materiais prontos para poder reparar”.
Fernández, em nome de seu time, se posicionou a respeito. “Foi totalmente excessiva a punição levando em conta a falta administrativa que cometemos. Vamos trabalhar internamente para receber de volta os pontos que nos tiraram”.
“Como é notório, estamos terminando as etapas bem próximos uns dos outros, quatro barcos em menos de uma hora, por exemplo. Trabalhamos muito para perder menos pontos possíveis. Agora, ser punido assim foi demasiadamente fora de medida”, disse o campão olímpico.
“Vamos prestar atenção nas questões burocráticas para o futuro, mas não estamos de acordo com a solução que foi dada. Seguiremos trabalhando duro, mesmo sabendo que perder dois pontos na classificação geral significa muito”, concluiu Xabi Fernández.