Primeiras 48 horas da quarta etapa da Volvo Ocean Race foram bastante complicadas para os velejadores

0
132

As primeiras 48 horas da quarta etapa da Volvo Ocean Race foram bastante complicadas para os velejadores das seis equipes que disputam a Volta ao Mundo
Edição- Adilson Pacheco
Fonte – Volvo Ocean Race
Post- 10/02-18:44

As

das seis equipes que disputam a Volta ao Mundo. Os competidores já sabiam das condições extremas após a largada, com muito vento batendo de frente – média de 25 nós – e ondas grandes. A perna entre a China e a Nova Zelândia está longe de terminar e a ordem agora é trabalhar dobrado, pelo menos até acessar o Oceano Pacífico. “É como rodeio de touro”, escreveu o argentino Francisco Vignale, repórter a bordo do MAPFRE. “Nós ainda estamos enjoados”.
A situação nos mares do Sul da China deve melhorar nesta quarta-feira (11), após a flotilha deixar as Filipinas, mas os primeiros dias foram bem ruins para os atletas. E olha que tem mais de 8 mil quilômetros pela frente até Auckland. “Muito vento contrário e forte, além de ondas batendo. Serão dias de trabalho a bordo”, descreveu o brasileiro André ‘Bochecha’ Fonseca, também velejador do MAPFRE. “Nosso objetivo é tentar poupar o material. A gente sabe que até chegar às Filipinas precisamos ter cuidado”.
E a falta de sono desde que deixaram a ilha tropical chinesa de Sanya certamente não estava nos planos. “Ninguém pregou o olho durante as últimas 48 horas”, disse Matt Knighton, repórter a bordo do Abu Dhabi. “Cada onda que bate te acorda e quase te joga pra fora do beliche”.
Na última atualização da tarde desta terça-feira (10), o Dongfeng seguia na liderança, acompanhado de perto por Abu Dhabi e MAPFRE. Mais atrás estão Team Alvimedica, Team Brunel e Team SCA.