Terceira etapa da Volvo Ocean Race praticamente terminou com a chegada de cinco barcos em menos de seis horas

0
202

La tripulación española ha cruzado la línea de llegada de Sanya a las 5:23 de la madrugada en España. Los de Xabi Fernández suman un cuarto puesto tras unas intensas últimas 30 horas en las que no ha habido lugar para el descanso: el “Brunel” ha sido quinto, un minuto y 50 segundos después del “MAPFRE”.

Edição- Adilson Pacheo
Fonte: Helena Paz/MAPFRE/VOR
Post:27/01-15:26

Dia de muitas emoções em Sanya, na China. A terceira etapa da Volvo Ocean Race praticamente terminou com a chegada de cinco barcos em menos de seis horas, após quase 5.000 milhas de navegação desde os Emirados Árabes Unidos. O time espanhol MAPFRE chegou na quarta colocação com o tempo de 23 dias, 18 horas, 23 minutos e 20 segundos. A equipe ficou meia hora atrás do terceiro colocado, o Team Alvimedica, e 1 minuto e 50 segundos na frente do Team Brunel, o quinto da perna.
“Foi uma das etapas mais duras que participei na regata. Não pelas condições, mas pela proximidade entre os barcos. Trocamos muitas posições, fizemos várias manobras, e muito mais”, disse o proeiro Ñeti Cuervas-Mons na chegada em terra. Sem dúvida, uma etapa que deixou todos exaustos. Xabi Fernández, que foi escalado para ser o comandante do barco na etapa, fez sua estreia nesse posto. O velejador estava contente com a quarta colocação. “A etapa foi bem longa, lenta, cansativa e estressante”. Na comparação com a edição anterior, ainda com os barcos VO70, foram 11 dias a mais de velejada.“Tivemos bons momentos na regata”, contou o Fernández. “Depois da saída do Estreito de Malaca tivemos alguns problemas que nos tiraram posições. Desviamos de redes de pescadores e dos barcos pesqueiros. Foi difícil de recuperar, mas passamos o ‘Brunel’; uma pena que não foi possível pegar o ‘Alvimedica’, mas estou contente por não ter ficado em quinto”.

Ajuste final
Faltando poucas milhas para a chegada, a falta de vento chegou a parar o “MAPFRE” e depois o “Brunel”. Para os holandeses havia uma esperança que de passar. A equipe de Xabi Fernández conseguiu escapar dessa zona e fez uma troca de vela, substituindo a Code Zero pela J1. Foi assim até a linha de chegada. “O certo é que desde que entramos no Estreito de Malaca quase não dormimos. Xabi foi o que dormiu menos, pois na última noite ficamos colados ao ‘Brunel’ por 15 horas”, contava Ñeti Cuervas-Mons. “Foi uma boa etapa, terminamos a menos de 10 milhas do pódio. Creio que é a primeira vez que chegamos tão perto. Estamos melhorando. A disputa com o “Brunel”, que é um dos líderes da regata, confirma isso. Mantivemos a posição, mostrando que somos fortes e falta pouco para o pódio. A equipe está mais forte e unida”, declarou o brasileiro André Fonseca.
Cinco barcos, em cinco horas:O ganhador da etapa, a equipe local Donfeng Race Team, cruzou a linha de chegada nas primeiras horas do dia, no horário chinês. O Abu Dhabi Ocean Racing foi o segundo, seguido do Team Alvimedica. O Team SCA, time só de mulheres, foi o último a chegar