Volvo Ocean Race – Turn The Tide On Plastic: Primeiro barco comandado por mulher conclui prova entre Auckand e Itajaí

 

Leg 7 from Auckland to Itajai. Arrivals in Itajai. /arte:RN Pedro Martinez/Volvo Ocean Race/ Aetr

Leg 7 from Auckland to Itajai. Arrivals in Itajai. /arte:RN
Pedro Martinez/Volvo Ocean Race/ Aetr

Barco comandado pela velejadora britânica Dee Caffari concluiu a prova entre Auckland, Nova Zelândia, e Itajaí, Santa Catarina, em 20 dias, 3 horas e 12 minutos. Equipe contou com o atleta olímpico português Frederico de Melo

Madrugando sábado na Vila da Regata da parada brasileira da Volvo Ocean Race, Itajaí. Pois é, por era quase duas horas da madrugada de sábado (07), quando o público vibrou com a chegada do veleiro Turn the Tide on Plastic na Vila da Regata, acompanhado pelo barco Itajaí Sailing Team, que vem recepcionando em alta mar todos os veleiros participantes da regata volta ao mundo.

O barco Turn The Tide On Plastic ficou na quarta colocação da sétima etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, concluindo o percurso de 7.600 milhas náuticas em 20 dias, 3 horas e 12 minutos. A equipe cruzou a linha de chegada em Itajaí (SC) na madrugada deste sábado (7).

Os velejadores foram recebidos por centenas de pessoas na Vila da Regata de Itajaí. Era 1h12 (Horário de Brasília). O TTOP – iniciais de Turn The Tide On Plastic – soma 8 pontos pelo resultado. A perna tem pontuação dobrada.

‘Foi muito legal ver muita gente essa hora da madrugada nos recebendo e nos aplaudindo. Agora vamos descansar e aproveitar a hospitalidade de Itajaí”, disse a comandante britânica Dee Caffari. ”Foi uma etapa muito difícil, com ventos fortes e condições complicadas. Também ficamos bastante abalados com a perda de um amigo (John Fisher)”.

A equipe do Turn The Tide On Plastic tem dois portugueses que praticamente se revezam nas etapas. Desta vez o escolhido foi Frederico de Melo, que disputou a olimpíada de Londres 2012. O velejador vestia a camisa do Marcílio Dias, uma das equipes da cidade catarinense na hora da chegada.

”Os brasileiros nos recebem com muito carinho. Foi incrível ver tanta gente nas docas. É um incentivo pra gente que sofreu com ventos, neve e ondas gigantes. As noites eram difíceis, com pouca visibilidade. O perigo era constante e infelizmente aconteceu a tragédia com John Fisher, que era um grande amigo”, contou Frederico de Melo.

O veleiro Turn The Tide On Plastic  teve problemas no spreader – ou cruzeta na tradução do português – da vela principal e por vários dias navegou sem estar 100%.

A etapa tem ainda o espanhol MAPFRE competindo. Está previsto para terminar a prova nas próximas 24 horas, ou seja, na madrugada de domingo (8).

O vencedor da etapa entre Auckland (Nova Zelândia) e Itajaí (SC) foi o Team Brunel, seguido por Dongfeng Race Team e team AkzoNobel.


 Fonte – Flavio Perez