Volvo Ocean Race – Barco espanhol MAPFRE completa regata no Brasil

 

Xabi  sendo recebido pelo prefeito de Itajai, Volnei Morastoni/Pedro Martinez/Volvo Ocean Race

Xabi sendo recebido pelo prefeito de Itajai, Volnei Morastoni/Pedro Martinez/Volvo Ocean Race

Equipe termina a sétima etapa da Volvo Ocean Race na quinta colocação e vê liderança escapar para o Dongfeng Race Team

A equipe do espanhola do MAPFRE completou a sétima etapa da Volvo Ocean Race 2017-18 na madrugada deste domingo (8), mais precisamente às 4h59, na cidade de Itajaí (SC). O barco foi o quinto da perna entre a Nova Zelândia e o Brasil e somou 6 pontos.

O time comandado pelo campeão olímpico Xabi Fernandéz fez o percurso de 7.600 milhas náuticas em 21 dias, 6 horas e 59 minutos. O campeão da etapa foi o Team Brunel que chegou cinco dias antes.

A perna teve pontuação dobrada e com o segundo lugar do Dongfeng Race Team, o MAPFRE perdeu a liderança. ”Precisamos agora retomar a liderança na próxima etapa e velejar melhor do que eles. Saímos de Auckland com seis pontos de vantagem e agora estamos um atrás”, disse Xabi Fernandez.

”Foi uma das etapas mais duras que competi pelos mares do sul. Desde o começo tivemos problemas e planejamos uma parada no Cabo Horn. Tivemos a ajuda do veleiro Kat da família Schürmann”.

 

Pedro Martinez/VOR

Pedro Martinez/VOR

 

Como citado pelo velejador espanhol, o barco Kat, que fazia expedição perto do Cabo Horn, foi ajudar o MAPFRE que estava com problemas. ”Foi muito difícil essa etapa com frio, vento e problemas no barco. A ajuda da tripulação do Kat foi essencial para terminar a regata em Itajaí”, explicou a também campeã olímpica Tamara Echegoyen. O veleiro Kat foi construído em Itajaí (SC).

O MAPFRE também foi obrigado a racionar comida na reta final da etapa. ”O barco quebrou e não navegamos 100%. A chegada ao Brasil foi lenta e fizemos racionamento de comida. Agora vamos comer bastante, pegar um pouco de sol e beber caipirinha”, contou o proeiro Ñeti Cuervas-Mons.

Duas equipes abandonaram a sétima etapa. O Team SHK/Scallywag por causa da perda trágica do britânico John Fisher, que caiu no mar, e o o Vestas 11th Hour Racing que perdeu o mastro e ainda está nas Malvinas.


 

Fonte: Flávio Perez/VOR