Team Brunel contorna o Cabo Horn em primeiro e leva ponto extra; MAPFRE para por horas

Leg 7 from Auckland to Itajai, day 12 on board Brunel. Brunel first at Cape Horn. Bouwe Bekking, Peter Burling, Andrew Cape, Kyle Langford, Carlo Huisman, Abby Elher, Alberto Bolzan, Thomas Rouxel. 29 March, 2018.

Líder isolado da sétima etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, o Team Brunel conquistou um ponto extra no campeonato ao contornar o Cabo Horn em primeiro lugar. A equipe holandesa passou pelo ponto mais icônico dos mares do mundo na manhã desta quinta-feira (29), mais precisamente às 10h01 (Horário de Brasília).

O Team Brunel mantém vantagem de quase 40 milhas náuticas para o segundo colocado na regata, o Vestas 11th Hour Racing. A perna da Nova Zelândia ao Brasil tem ao todo 7.600 milhas náuticas e deve ser concluída até a quinta-feira (5) na cidade catarinense de Itajaí, que receberá a Volvo Ocean Race pela terceira vez consecutiva.

“A tripulação está muito, muito cansada”, disse Bouwe Bekking, comandante do Team Brunel. Não havia clima para comemoração a bordo em virtude de John Fischer (SHK / Scallywag), velejador que se perdeu no mar no início da semana. ”Não estamos felizes! A perda de John foi muito profunda e afetou as pessoas. Eu penso nele várias vezes a cada hora”.

E o holandês não está sozinho nesse pensamento! Os velejadores de todas as equipes da Volvo Ocean Race não digeriram a perda do atleta britânico.

”É o momento para mostrar nosso respeito”, disse o navegador Simon Fisher, do Vestas 11th Hour Racing. “O Cabo Horn é o mais difícil de dobrar. O vento sopra 35-40 nós e todos a bordo querem chegar logo.

O barco Sun Hung Kai Team / Scallywag, ainda em luto pela perda de seu atleta, continua se movendo em direção à costa oeste do Chile e deve chegar à terra no início da próxima semana.

Cabo Horn

O Vestas 11th Hour Racing contornou o Cabo Horn duas horas depois do líder Team Brunel. Na sequência passaram Dongfeng Race Team, Team AkzoNobel e Turn The Tide on Plastic.

O famoso Cabo Horn marca a passagem para o Oceano Atlântico e significa o fim do Pacífico para a flotilha da Volvo Ocean Race.

”É claro que a passagem pelo Cabo Horn é muito boa, e geralmente todo mundo ficaria muito feliz”, disse Charles Caudrelier, do Dongfeng Race Team. “Mas desta vez não podemos esquecer o que aconteceu com John Fisher no Scallywag, então não podemos ser felizes como uma passagem normal”.

Leg 7 from Auckland to Itajai, day 14 on board Dongfeng. 29 March, 2018.

MAPFRE suspende a regata

O espanhol MAPFRE suspende a regata para arrumar o mastro danificado enquanto a flotilha passa pelo Cabo Horn. Os líderes do campeonato detectaram o problema cinco dias atrás, mas só agora conseguiram parar para arrumar.

Faltando 2.000 milhas náuticas para o Brasil, o comandante Xabi Fernández decidiu suspender a prova às 13h32 (Horário de Brasília) e apenas seis milhas a oeste do cabo. Três integrantes da equipe de terra estão lá para ajudar nos reparos.

A penalidade por suspender a regata é ficar 12 horas sem navegar.