Estaleiro entrega os dois primeiros módulos para exploração do pré-sal construídos em Itajaí

“Até 2017 teremos muito trabalho. Hoje podemos estar orgulhosos, pois nesse projeto tem um pedaço da gente”, destacou o diretor da MGT, Ronaldo Ferraz.estaleiro

Post/12/12-Fonte:SecomPMI/Foram entregues na tarde desta sexta-feira as duas primeiras unidades de módulos de geração de energia construídos em Itajaí. Os módulos 15 e 16 vão compor a plataforma 66 e foram erguidos pelo Consórcio MGT, formado pelas empresas DM Construtora e TKK Engenharia, instalado na Teporti, no bairro Cordeiros. Esta é uma das seis bases da Petrobras e seus parceiros no Brasil para o desenvolvimento da exploração do pré-sal.
Depois de um ano e meio de soldagem, restauração, pintura, colocação de calha e outros serviços que envolveram a construção destes dois módulos, a próxima unidade, o módulo M5, deve começar a ser construído em fevereiro de 2015. Ao todo, serão produzidos em Itajaí 18 módulos de geração de energia com prazo de término em três anos. “Até 2017 teremos muito trabalho. Hoje podemos estar orgulhosos, pois nesse projeto tem um pedaço da gente”, destacou o diretor da MGT, Ronaldo Ferraz.
Mais de 1.800 de empregos diretos foram criados no estaleiro em Itajaí desde a chegada do Consórcio MGT. A cidade foi escolhida como uma das bases da Petrobras por estar em um ponto estratégico e próximo ao mar. Para o Prefeito Jandir Bellini, ter uma unidade da Petrobras fortifica ainda mais a economia itajaiense. “O resultado é mais geração de empregos e a elevação no nome da cidade que hoje já está entre as 30 melhores do país”, enalteceu.
Ao final da cerimônia, junto aos funcionários, autoridades e representantes, uma taça foi quebrada para simbolizar a comemoração do trabalho realizado.

FPSO Replicantes
A Petrobras vai construir oito plataformas flutuantes de produção e armazenamento e transferência, denominadas FPSO Replicantes, que vão ser instaladas em Santos/SP a uma profundidade de 2.200 m. Itajaí foi uma das cidades escolhidas entre os seis estaleiros espalhados no Brasil para construir 18 módulos. As plataformas são compostas por cascos, módulos de geração de energia e integração. Cada plataforma flutuante tem capacidade de produzir 150.000 barris de petróleo e 6.000m³ de gás. A Petrobras dividiu o projeto em cinco pacotes,e o consórcio MGT é responsável por dois pacotes: o 2 – de gás combustível e desidratação e o pacote 5 – de geração de energia com escopo com dois turbos de 25mega watts.